Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2501)  
  Resenhas (129)  

 
 
Abrindo a caixa preta...
Silmara Aparecida Lopes
R$ 38,50
(A Vista)



Biologia Ambiental
Maristela Zamoner
R$ 97,80
(A Vista)






   > Promessa desfeita



Elisabeth Silva de Almeida Amorim
      CONTOS

Promessa desfeita

Os dois namorados se divertiam olhando vitrines no shopping. Ambos ficavam sonhando como se tivessem o domínio do tempo. Para que as horas parassem e juntos pudessem ficar. Mas no final de semana cada qual caminha por lados opostos.
Até que  o  namorado não quer mais a separação. Cansou de  encontros casuais, queria casar, ter filhos, dividir os momentos bons e ruins com a sua bela namorada. E logo quando se encontram...
_ Meu amor, fique comigo !  Não podemos nos casar ainda porque ainda somos jovens, mas que tal, você vir morar comigo? E quando tivermos mais idade... oficializaremos a nossa união...
Ela vibra com aquele pedido. E logo o abraça com força fazendo juras de amor...
_ Oh, meu amor que coisa boa! Que tal na próxima semana... Trarei minhas coisas  e vamos viver a nossa linda história de amor. Mas será que o pessoal vai entender?
O jovem  nem se dá o trabalho de responder, pois o importante era que  o seu amor concordasse os outros para ele não importava. E cai nos braços de sua amada, sorrindo da felicidade e faz a promessa de encontra-la no mesmo local de sempre, dali a uma semana.
Chega o dia do acordo.  Ela vai acompanhada do seu pai e ele a  encontra  acompanhado de uma mãe furiosa, dispara:  
_ Olhe aqui, mocinha! Quem você pensa que é para virar a cabeça do meu filho? Nem adianta que ele não irá se casar contigo! Imagine se eu vou aprovar um casamento de meu bebê de 15 anos... Se houve alguma promessa, tire o cavalinho da chuva... meu filho vai se manter longe de você!                           
Com isso, o pai da garota que também não veio para conversa, retrucou:
_ Eu digo o mesmo, minha senhora! Se o seu “bebê” tem 15 anos, o que dizer da minha filhinha que  acabou de fazer 13?    Se ele prometeu algo, a promessa está desfeita, porque não vou querer minha filhinha com esse menino... Ela está proibida de falar com ele...PROIBIDA!
Enquanto os adultos trocavam insultos e acusações de quem é o culpado por chegarem aquela situação....    Os jovens  adolescentes se agarraram e trocaram um longo beijo, pois estavam  na fase do desafio...

_Que gracinha! No meu  tempo não era assim... o homem era mais educado... _ Diz o pai da menina.              
_ Eles formam um lindo casal,  mas  a sua filha se mostra mais assanhadinha para cima do meu filho _ Diz a mãe do garoto.
E novas discussões começaram,  acorrentados  não  orientaram  aos filhos que ... livres, jovens, saudáveis correm para abraçar a vida totalmente desprevenidos e são capturados também. E a liberdade da adolescência se une  ao choro de um bebê...
 

 
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui