Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Elixir do amor - A cura...
Michele Stringhini
R$ 34,90
(A Vista)



Os Testes que o Ego...
Ardeci joao cardoso...
R$ 33,30
(A Vista)






   > ESPELHOS - EXERCICIO DE DRAMATURGIA



Karen Kings
      PENSAMENTOS

ESPELHOS - EXERCICIO DE DRAMATURGIA

Mulher no palco, segurando um grande espelho. Enquanto a plateia entra, ela direciona o espelho para algumas pessoas. Platéia toda sentada, tocam os três sinais.

Mulher sentada em uma cadeira, tira um espelhinho de bolso. Mostra os dentes, verifica a maquiagem, arruma o cabelo.

-Estou bem. Dentes limpos, maquiagem impecável, cabelo maravilhoso. Já posso sair.

Guarda o espelho no bolso.

-Esses dias, percebi que quase não uso meu espelho quando estou em casa. Só uso em casa, quando estou me arrumando pra sair e não uso este. Uso o grande. Aquele que mostra o corpo todo. Nada pode passar despercebido por meus olhos. Dentes, maquiagem, cabelo, roupa, botões, sapatos e bolsa. Dentro da minha bolsa tenho meu espelhinho, tenho maquiagem, tenho uma garrafa de água. O essencial para sobreviver definido em grau de importância.

Mulher sai.

Luz cai.

Foco em uma criança.

Menina entra. Ela carrega uma lancheira.

-Mudei de classe, agora estudo a tarde. Nunca tive muitos amigos. Sempre me senti estranha. Mas já percebi o que é necessário para ter amigos. Como acabei de mudar de classe, ainda não tenho nenhum amigo, vou lanchar no banheiro. Lá não é de todo o mal, é calmo, escolho uma porta e ela me protege. Depois de lanchar, quando abro a porta, sempre vejo muitos espelhos. Muitas meninas usam maquiagem e conversam na frente do espelho. Eu passo, olho rapidamente e volto pra sala. Faço isso todos os dias, porque minha mãe ainda não me deixa usar maquiagem. Sempre chego cedo na sala, muito antes dos outros alunos ou do professor. Um dia a professora me perguntou porque que eu chegava cedo, eu disse que na sala era mais calmo.

Menina sai.

Luz cai.

Adolescente entra.

Ela senta na cadeira, tira o espelho do bolso, se olha. Fecha e guarda.

-Eu estou bem. Está vendo? Coloquei aparelho, ele está limpo. Vou usar por pouco tempo, só até fechar este espaço entre meus dentes. Os óculos, só uso pra ler. O médico disse que não preciso usar sempre. Mas estou bem. Tenho amigos. Gosto deles, me entendem. Ele são inteligentes e me aceitam.

Adolescente sai.

Luz cai.

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui