Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Abstrato-03-772
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Natureza-03-181
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > A menina do nariz iluminado



Elisabeth Silva de Almeida Amorim
      INFANTIL

A menina do nariz iluminado

Aquela menina sabia que dentro de poucos minutos a luz se apagava. E sob  a iluminação fraca de um candeeiro ela se debruçava sobre os livros. Na penumbra do quarto  viajava nos textos lidos. O seu predileto era de uma porquinha que se chamava Pirula.  Como ela conseguia ler no escuro? Mesmo na escuridão ela encontrava a luz.
Ninguém sabia da luzinha na ponta do nariz que aquela criança carregava. Não conseguia ficar com a cabeça baixa por muito tempo. A luz pedia para erguê-la o mais alto possível, para iluminar pessoas ao entorno.  Ela tentava falar daquela luz invisível aos olhos humanos, mas ao perceber que não seria entendida, guardou segredo.
Um dia magoaram a menina e ela chorou.  A sua luz ficou fraquinha e puft! Apagou! No quarto escuro ela ficou tentando fazê-la voltar. Nada. Olhava no espelho e seu nariz não tinha nenhum sinal de luz. Ela ficou mais triste.  Começou e refletir sobre o que ela havia feito de bom ou ruim  para tê-la perdida...
_Como poderei ler no escuro?  Como andar de nariz para cima? Como ser feliz se o meu  brilho se apagou?  Pensava a  triste menina. De repente uma luz gigante acendeu em sua mente e disse:
 _ É Natal, faça o seu pedido! Peça luz para todas as pessoas! Deseje luz que você também será iluminada!
E a menina sorriu. Correu até a meia onde havia deixado o pedido de uma boneca, retirando-o escreveu:
_Papai Noel, por favor, quero luz para todos nós! 
Ela estava crescendo e a pontinha do nariz ficara pequena para carregar a sua luz, por isso o brilho foi para a mente. Com a mente iluminada aquela menina iria  ajudar outras pessoas descobrirem a própria luz. Com um bloquinho nas mãos ela passou a escrever cada passo para ser feliz. E o primeiro era nunca desejar mal ao próximo, pois o seu desejo profundo, realiza-se em você.
 Ficava triste porque muitos ainda não conseguiram fugir do quarto escuro... talvez tentando encontrar a luz perdida... Ela escrevia que a luz de cada um não se perde, muda de lugar justamente para acordar um talento adormecido... mas poucas pessoas  liam o que ela escrevia. Nem na escola onde ela estudava seus textos tinham valor.
Quando chegava o Natal seu sonho se renovava.  E era época de novos pedidos:
_ Papai do Céu, precisamos de luz! Queremos mais luz em nosso caminho!
Papai do Céu se comoveu com aquele pedido tão profundo daquela criança e convocou o Papai Noel para mais aquela missão...
E Papai Noel  veio do mundo dos sonhos, cheio de brilhos e cores para nos lembrar que a  a luz externa natalina não passa de pisca-pisca. Já a duradoura está dentro de cada um, no coração de quem pratica o bem. Às vezes ela corre para mente, mãos, olhos... Xi, quando andamos de cabeça baixa por conta dos obstáculos, a luz escorrega e vai parar na pontinha do nariz. E se chorar... ela vira uma estrelinha cadente.
                                  
                                   Elisabeth Amorim/2014


Autora de BELITA e de ZIK E MOKA pela Editora PROTEXTO


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui