Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2501)  
  Resenhas (129)  

 
 
A dor de Deus Pai
Miguel da Silva
R$ 33,30
(A Vista)
INDISPONÍVEL

O vendedor de cocadas
Airo Zamoner
R$ 17,40
(A Vista)






   > Assembleia dos Ratos



GERALDO DE CASTRO PEREIRA
      POESIAS

Assembleia dos Ratos

Assembleia  dos  ratos
 
Um gato enorme e faminto,
Esperto como uma lebre,
Achou um bando de ratos
Num velho e pobre casebre.
 
Todo o dia ele caçava
Um rato com sua garra.
E se fartava à vontade,
Fazendo grande algazarra.
 
Os ratos, apavorados,
criaram um sindicato
Pra acabarem de uma vez
Com esse malvado gato.
 
Formaram-se comissões;
marcaram uma assembleia.
Dom  ratão foi logo eleito
Por toda aquela plateia.
 
E , todos, bem agitados,
Reuniam-se noite e dia,
Três ratazanas bem fortes
Puseram-se de vigia.
 
Dom ratão , inteligente,
Matutou um grande plano:
Colocar enorme guizo
No pescoço do bichano.
 
Convocou outra assembleia
Pra votar o seu intento.
Os ratos compareceram
Cheios de contentamento.
 
E , por unanimidade,
Deram sua aprovação
À ideia genial
Do seu chefe, Dom ratão.
 
Cada rato saberia
-isto seria um colosso –
O paradeiro do gato
Com o guizo no pescoço.
 
Mas, no fim da reunião,
Velho rato com juízo
Pediu a palavra e disse:
“Boa ideia essa do guizo!
 
Mas, aqui estou pensando
E meditando comigo:
Quem poria este artefato
No pescoço do inimigo?”
 
Ante aquela indagação,
Todos eles se calaram.
Botaram o rabo entre as pernas
E logo se dispersaram.
 
Como moral da história
Escuta esta minha fala:
“É fácil ter uma ideia,
Difícil é executá-la.”
 
Geraldo  de Castro Pereira

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui