Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Diário de Um Pensador...
Dudu Souza (Cleomacio...
R$ 22,10
(A Vista)



Refletindo sobre EaD e...
Cléber Lemos
R$ 38,50
(A Vista)






   > A Zebra Curiosa



Elisabeth Silva de Almeida Amorim
      INFANTIL

A Zebra Curiosa

Era um dia perfeito
Mas aquela zebra  bonita
Apresentava um terrível defeito
A sua curiosidade infinita
Aquele mau costume não tinha jeito
Que coisa esquisita!
 

Todo animal que chegava
A zebra queria saber
O que fez e onde morava?
Como aprendeu sobreviver?
A zebrinha interrogava que interrogava
Dela os animais passaram a correr.
 

Enquanto  a  curiosa zebrinha
Olhava a vida alheia
Não se preocupava com a sua vidinha
Que passava sem pareia
Questionava até o patinho
Que nadava na hora da ceia.
 

Os animais em protesto
Resolveram interrogá-la
Queriam  através de manifesto
Para a zebrinha se explicar
O motivo de cada gesto,
Cor, forma, lista que ela poderia usar.
 

Era um tal de porquês...
Pegando no seu pé
Que lista preta! Por quê?
Responda agora se quiser...
E esta lista branca, quero saber
Por que? Zebra tem chulé?
 

Onde a zebrinha ia
Logo aparecia um animal
Perguntava e  sorria
Fazia a coitada passar mal.
_Como você sobreviveria
Se não fosse tão igual?
 
 
Sufocada a zebrinha correu.
Os animais confabularam em reunião...
De repente a girafa apareceu
Para resolver a situação:
_Deixe que eu descubro onde ela se escondeu.
E darei um fim  nessa questão!
 

A  girafa experiente
Observadora e de bom coração
_Venha zebra! Mostre-se para a gente
Que aprendeu a lição.
Antes, porém suba aqui na frente!
Que irá saber para que serve meu pescoção!
 
 
Surge a zebra envergonhada
Daquela situação vexatória
No pescoço da girafa fica agarrada.
 Algo que entrou para a história.
Pois a girafa deu uma  balançada.
E o chão serviu-lhe de palmatória.
 

                                                  
                    Elisabeth Amorim
                           (escritora que desmonta a literatura, espalhado-a pelo mundo)



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui