Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
A Secretaria do Oeste
Evaldo Cassol
R$ 43,20
(A Vista)



O testamento vital no...
Isabela Maria Marques...
R$ 30,80
(A Vista)






   > Só Hoje



Claudia Hosbach
      POESIAS

Só Hoje

 O Galho seco que não germina
 A vida que pulsa mais não sobrevive
 O olhar que clama e resiste
 A mão que pede e alimenta o sangue das veias
 O pensamento que reclama atenção
 O corpo escarpado de sofrimento
 sofrimento do pão, do vinho, do sabor
 Dieta amarrada e decidida
 Engolir a seco para continuar
 Esta é a minha realidade, de dia, de noite,
 Sei lá até quando
 Nao quero, não posso parar, esta é a vida
 A vida que eu não pedi para mim, a vida que quiseram me dar

 
 Amores perdidos, amores bandidos
 Amores sordidos, amores sentidos
 Amores de hoje, de ontem e de amanhã
 Amores eternos, amores de luz, amores secretos
 Amores da vida, da ida e da vinda
 Amores de todos os dias são amores eternos e inesquecíveis.

 Digno é viver sem ter medo de errar
 Digno é saber que a sua consciência é a sua verdade
 Digno é ser real imutável e inabalável
 Digno é ser verdadeiro, autêntico e transparente
 Digno é salvar seus princípios e levantar a bandeira da dignidade que são para poucos.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui