Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (642)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
O conto de Ruan e sua...
Willians Vieira dos...
R$ 61,40
(A Vista)



Elisa pede passagem
Ingrid Regina...
R$ 39,70
(A Vista)






   > MAIS DE UMA VEZ



Luiz Eduardo Oliveira
      POESIAS

MAIS DE UMA VEZ

Estive mais de uma vez com a morte, deitado,
sem atinar... e senti seu prazer... mas mentiroso.
Por mais de uma vez acariciei-lhe, um tanto ousado,
fiz-lhe de minha presa e a ela me fiz estuoso.

Apertava-me os braços, sorria e me confessava,
que, por mais de uma vez, ouvi-lhe, em surdina.
Quase lhe fiz uma deusa e nela apus a aljava
contra os ataques que recebia e cri sê-la minha vacina.

Mas, num tempo, vi em seus olhos um quê de sarcasmo,
encontrei-me, outra vez, exposto às dores e à febre,
eram os abraços, em verdade, que me causavam espasmo.

Na última vez que eu testemunhei a sua ironia
vi, por fim, quem era, ao ter-me como um casebre,
mas foi tarde...conseguiu agravar minhas dores e nevralgia.

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui