Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Gestão Empresarial e...
Juliane H Cantini
R$ 44,20
(A Vista)



Ruínas-02-116
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > MAIS DE UMA VEZ



Luiz Eduardo Oliveira
      POESIAS

MAIS DE UMA VEZ

Estive mais de uma vez com a morte, deitado,
sem atinar... e senti seu prazer... mas mentiroso.
Por mais de uma vez acariciei-lhe, um tanto ousado,
fiz-lhe de minha presa e a ela me fiz estuoso.

Apertava-me os braços, sorria e me confessava,
que, por mais de uma vez, ouvi-lhe, em surdina.
Quase lhe fiz uma deusa e nela apus a aljava
contra os ataques que recebia e cri sê-la minha vacina.

Mas, num tempo, vi em seus olhos um quê de sarcasmo,
encontrei-me, outra vez, exposto às dores e à febre,
eram os abraços, em verdade, que me causavam espasmo.

Na última vez que eu testemunhei a sua ironia
vi, por fim, quem era, ao ter-me como um casebre,
mas foi tarde...conseguiu agravar minhas dores e nevralgia.

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui