Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Passagens-01-007
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



R$ 18,90
(A Vista)
INDISPONÍVEL




   > A política como mera profissão



Kairon Pereira de Araujo Sousa
      ARTIGOS

A política como mera profissão

Atualmente é possível notar, no cenário nacional, certo descrédito da população quanto às questões relacionadas à política. Mesmo com as mobilizações sociais que emergem com frequência, temos uma sociedade alheia aos fatos políticos.
Mas, não seria algo estranho esse afastamento do indivíduo dessa atividade social fundamental para à manutenção da coletividade. Em meio às superficialidades, banalizações e vulgaridades que assaltam o cidadão, pouco tempo disponível para as reflexões e envolvimento com os assuntos políticos, ele está disposto a ofertar.
Trata-se de um cenário atroz, onde os mais interessados, parecem, serem os profissionais que a cada dia se profissionalizam mais nesse ramo ou empreendimento organizativo. Tornaram-se donos do negócio, dispostos a travarem uma competição no mercado, para manutenção do status quo.
Contudo, não podemos estranhar tamanho desinteresse da maioria da população pelas temáticas políticas, se considerarmos que ela (política) não tem conseguido atender as necessidades sociais, dito de outra forma, a política não tem dado conta da realização dos indivíduos. Nisso, são poucos os satisfeitos com ela. Estes são os que dispõem ou usufruem da fonte de recursos que a política pode proporcionar, principalmente em função da inversão dos interesses comuns, pelos particulares, práxis recorrente na atualidade.
Nesse “novo” cenário de profissionalização da política brasileira, essa atividade social vem cada dia mais sendo desconfigurada e, ao invés de servir como um mecanismo regulador e distribuidor das riquezas, contribuindo para diminuição das desigualdades sociais, tornou-se um espaço de assaltos à coletividade, de concentração de riquezas, pois o mando é passado de geração a geração num ciclo vicioso. 
É tempo do cidadão se tornar mais consciente, mais participativo, mais ativo, crítico e seletivo. Precisamos, urgentemente, repensarmos (coletivamente) o arranjo político atual e o reconfigurarmos, expulsando todos os vírus que afetam o sistema, retardando suas atividades e crescimento.
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui