Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Cidades-02-189
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Passagens-03-114
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > ...



Alexandre Carrara
      POESIAS

...

Rede mansa rede balança, 
Folheei flores, arranquei páginas, mordi o sofá perdi o sono atrás do sonho de ti fazer sonhar, gritar tão alto e espantar o beija-flor, correr atrás do vento, pegar um jacaré, voar pro infinito e além.
Nenhum navalha e tão afiada, nenhuma agulha é tão pontiaguda, nenhuma prensa pressiona tanto quanto a saudade.
A bola que quica o pião que gira, lançado teia, voa; voa junto da imaginação, voa de avião, voa, tira os pés do chão; solta pipa, brinca de balanço caixão; sobe no muro, trepa na árvore, sonha em voar de balão. Com nariz de palhaço e uma coisa maluca na mão, somos um só coração.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui