Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Sobre gatunos e...
Erasmo Júnior de Melo...
R$ 49,60
(A Vista)



Veículos-02-201
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > UMA LINGERIE QUE FOI LONGE DEMAIS



LEOMAR BARALDI
      CONTOS

UMA LINGERIE QUE FOI LONGE DEMAIS


 
A empresa de lingerie Ousada’s tornou-se a mais conceituada em toda a América do Sul, depois estendeu seus domínios para a Europa. Filiais eram abertas na França, Alemanha, Austria, Belgica, Holanda, enfim, toda mulher moderna e decidida queria estar vestindo a lingerie Ousada’s.
Foi tudo bem até aparecer Dalila. Dalila de Almeida Octuber. Ela marcou uma hora com o gerente do escritório central de São Paulo.
Dalila nasceu no interior. Em Brotas. E o que levava até o gerente foi algo grave.
Dalila e a mãe, esperaram um pouco e foram chamadas na sala do gerente.
Sansão Figueira o nome do gerente. Que recebeu mãe e filha com a maior cordialidade. Ofereceu café, chá, água, rosquinha, brioche.
-O seu brioche deve ser inesquecível. –sussurrou a mãe próxima de Dalila, que a repreendeu: -Xisss, que é isso mãe. Depois que o pai morreu, perdeu o pouco de vergonha que tinha!
-Minha filha!
-Mãe. –disse Dalila entredentes.
O gerente do escritório regional do estado de São Paulo, Sansão Figueira, riu gentilmente. Mas deveria estar pensando: “O que essas duas malas querem, heim!”
-Pois não, em que posso ser útil? –começou ele.
-Em tudo. –sussurrou a mãe. Dalila falou logo:
-Uma coisa muito grave aconteceu.
-Hum! Pode falar.
-Depois que usei uma lingerie da sua fábrica me deu alergia. Foi terrível.
-A xoxota dela empipocou toda. –falou a mãe.
-Que é isso mãe!! –Repreendeu Dalila novamente, dessa vez corando de vergonha.
Não pode deixar de perceber o traço de espanto que sulcou a testa do gerente Sansão. Ele perguntou:
-Tem certeza que foi uma de nossas lingeries?
-Mmmmm.... Tenho. –gaguejou Dalila.
-Ficou toda inchada a xoxota dela.
-Mãeee!!! –Dalila não sabia o que fazer, corou mais ainda. Dava a impressão que tremia.
-Tem certeza que foi a lingerie Ousada’as que deixou a sua.... Bem, a sua genitália intumescida além do.... do.... do normal?
-Ela não usa outra porcaria, seu Sansão.
-Mãeeee! Pelo amor de Jesus. Pára!
Sansão ficou sério e pediu:
-Posso ver?
-Ahnnnnn!!!! –Quase que Dalila desmaia, sentiu o chão rodar.
-Quero dizer, ver a lingerie que provocou isso?
Dalila começou remexer na bolsa e depois entregou um embrulho para Sansão.
-O namorado da Dalila, quando viu a xoxota dela desse jeito, brigou feio.
-Mãeeee!
Sansão examinava a peça intima de Dalila e a estendeu sobre a mesa. Por um segundo temeu por aquela peça estar contaminada por algum micróbio, mas que vá à merda os micróbios! Deu a impressão de estar enfeitiçado por aquela calcinha verde e transparente. Imaginando...
Sansão em seguida determinou:
-Senhorita Dalila, você vai ter de procurar o departamento de...
-Departamento de xoxotas da empresa?!
-Mãeeee!
O gerente do escritório regional do estado de São Paulo das lingeries Ousada’s segurou de rir. Depois corrigiu:
-Departamento de atendimento ao consumidor. É aqui ao lado. Ali temos advogados especialistas em...
-Especialistas em xoxotas!!??
-Mãeeee!
Dalila queria, se pudesse e tivesse ao seu alcance, pegar uma fita isolante e colar a boca da mãe.
Novamente o gerente corrigiu:
-Advogados especialistas em Código do Consumidor.
-Pois bem, vamos então filha. –disse a mãe à Dalila, se levantando.
-Não querem nada mesmo. Um chá, café, cappuccino.. Brioche, uma bolachinha?
A mãe olhou bem para os olhos do gerente Sansão de pediu:
-Eu faço questão de experimentar o seu brioche. Suponho que seja inesquecível.
Para espanto da mãe, o único brioche na bandeja ao lado da mesa do escritório do gerente, estava murcho e as formigas lutavam para carregar parte dele embora.
 
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui