Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (655)  
  Contos (940)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (645)  
  Poesias (2512)  
  Resenhas (130)  

 
 
A dor de Deus Pai
Miguel da Silva
R$ 33,30
(A Vista)
INDISPONÍVEL

De escravos a livres
Itamar paulino de...
R$ 27,20
(A Vista)






   > UMA LINGERIE QUE FOI LONGE DEMAIS



LEOMAR BARALDI
      CONTOS

UMA LINGERIE QUE FOI LONGE DEMAIS


 
A empresa de lingerie Ousada’s tornou-se a mais conceituada em toda a América do Sul, depois estendeu seus domínios para a Europa. Filiais eram abertas na França, Alemanha, Austria, Belgica, Holanda, enfim, toda mulher moderna e decidida queria estar vestindo a lingerie Ousada’s.
Foi tudo bem até aparecer Dalila. Dalila de Almeida Octuber. Ela marcou uma hora com o gerente do escritório central de São Paulo.
Dalila nasceu no interior. Em Brotas. E o que levava até o gerente foi algo grave.
Dalila e a mãe, esperaram um pouco e foram chamadas na sala do gerente.
Sansão Figueira o nome do gerente. Que recebeu mãe e filha com a maior cordialidade. Ofereceu café, chá, água, rosquinha, brioche.
-O seu brioche deve ser inesquecível. –sussurrou a mãe próxima de Dalila, que a repreendeu: -Xisss, que é isso mãe. Depois que o pai morreu, perdeu o pouco de vergonha que tinha!
-Minha filha!
-Mãe. –disse Dalila entredentes.
O gerente do escritório regional do estado de São Paulo, Sansão Figueira, riu gentilmente. Mas deveria estar pensando: “O que essas duas malas querem, heim!”
-Pois não, em que posso ser útil? –começou ele.
-Em tudo. –sussurrou a mãe. Dalila falou logo:
-Uma coisa muito grave aconteceu.
-Hum! Pode falar.
-Depois que usei uma lingerie da sua fábrica me deu alergia. Foi terrível.
-A xoxota dela empipocou toda. –falou a mãe.
-Que é isso mãe!! –Repreendeu Dalila novamente, dessa vez corando de vergonha.
Não pode deixar de perceber o traço de espanto que sulcou a testa do gerente Sansão. Ele perguntou:
-Tem certeza que foi uma de nossas lingeries?
-Mmmmm.... Tenho. –gaguejou Dalila.
-Ficou toda inchada a xoxota dela.
-Mãeee!!! –Dalila não sabia o que fazer, corou mais ainda. Dava a impressão que tremia.
-Tem certeza que foi a lingerie Ousada’as que deixou a sua.... Bem, a sua genitália intumescida além do.... do.... do normal?
-Ela não usa outra porcaria, seu Sansão.
-Mãeeee! Pelo amor de Jesus. Pára!
Sansão ficou sério e pediu:
-Posso ver?
-Ahnnnnn!!!! –Quase que Dalila desmaia, sentiu o chão rodar.
-Quero dizer, ver a lingerie que provocou isso?
Dalila começou remexer na bolsa e depois entregou um embrulho para Sansão.
-O namorado da Dalila, quando viu a xoxota dela desse jeito, brigou feio.
-Mãeeee!
Sansão examinava a peça intima de Dalila e a estendeu sobre a mesa. Por um segundo temeu por aquela peça estar contaminada por algum micróbio, mas que vá à merda os micróbios! Deu a impressão de estar enfeitiçado por aquela calcinha verde e transparente. Imaginando...
Sansão em seguida determinou:
-Senhorita Dalila, você vai ter de procurar o departamento de...
-Departamento de xoxotas da empresa?!
-Mãeeee!
O gerente do escritório regional do estado de São Paulo das lingeries Ousada’s segurou de rir. Depois corrigiu:
-Departamento de atendimento ao consumidor. É aqui ao lado. Ali temos advogados especialistas em...
-Especialistas em xoxotas!!??
-Mãeeee!
Dalila queria, se pudesse e tivesse ao seu alcance, pegar uma fita isolante e colar a boca da mãe.
Novamente o gerente corrigiu:
-Advogados especialistas em Código do Consumidor.
-Pois bem, vamos então filha. –disse a mãe à Dalila, se levantando.
-Não querem nada mesmo. Um chá, café, cappuccino.. Brioche, uma bolachinha?
A mãe olhou bem para os olhos do gerente Sansão de pediu:
-Eu faço questão de experimentar o seu brioche. Suponho que seja inesquecível.
Para espanto da mãe, o único brioche na bandeja ao lado da mesa do escritório do gerente, estava murcho e as formigas lutavam para carregar parte dele embora.
 
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui