Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (655)  
  Contos (940)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (645)  
  Poesias (2512)  
  Resenhas (130)  

 
 
O HOMEM RELIGIOSO
Luis Carlos Lemos da...
R$ 28,00
(A Vista)



O testamento vital no...
Isabela Maria Marques...
R$ 30,80
(A Vista)






   > Insulina de porco



Alexandre Carrara
      POESIAS

Insulina de porco

Arrumei uma escada fui buscar a lua;
ela estava nua, desnuda, sua diferente,
sua orvalho.
 
Tua tara era sua e minha, transpira,
desfibrila perde o passo no descompasso nó sinusal.
 
Atrial, visceral ou direi espacial;
orbita em meus olhos menina, faz, 
Libere endorfina, serotonina. 
 
Me inflama, me da taquicardia, dispnéia.
Despe minha derme, toca meu timo,
vibra meu tímpano, me tira a propriocepção;
sem sinapses sem conexão.
 
Me faz perder a razão,
sem anestésico sem medicação;
nem insulina de porco nem analgésico de leão.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui