Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Como Fazer...
Maristela Zamoner
R$ 21,10
(A Vista)



A dor de Deus Pai
Miguel da Silva
R$ 33,30
(A Vista)
INDISPONÍVEL




   > Insulina de porco



Alexandre Carrara
      POESIAS

Insulina de porco

Arrumei uma escada fui buscar a lua;
ela estava nua, desnuda, sua diferente,
sua orvalho.
 
Tua tara era sua e minha, transpira,
desfibrila perde o passo no descompasso nó sinusal.
 
Atrial, visceral ou direi espacial;
orbita em meus olhos menina, faz, 
Libere endorfina, serotonina. 
 
Me inflama, me da taquicardia, dispnéia.
Despe minha derme, toca meu timo,
vibra meu tímpano, me tira a propriocepção;
sem sinapses sem conexão.
 
Me faz perder a razão,
sem anestésico sem medicação;
nem insulina de porco nem analgésico de leão.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui