Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2501)  
  Resenhas (129)  

 
 
Catálogo2015-P&B
Airo Zamoner
R$ 13,40
(A Vista)
INDISPONÍVEL

CICLO
Airo Zamoner
R$ 17,80
(A Vista)






   > Dia de Jazz



Lucas Moraes
      CRôNICAS

Dia de Jazz

Olhou para o relógio. Eram nove horas, ele estava atrasado e se deu conta ainda na cama; viu as botas próximas de sua mão esquerda e pegou-as em um salto já para vesti-las. Esquecera que estava de pijamas e sem suas meias, ficou de pé para procurar seu macacão que não estava à vista. Achou suas vestes de trabalho espalhadas por toda a casa: sua camiseta no tapete da porta, suas meias nos corredores que davam aos quartos e seu macacão na janela de seu quarto – “como foi parar lá”, pensou - não tinha tempo para isso e logo começou a se vestir, mas sua atenção foi tomada pela musica alta que vinha da sala; a antiga vitrola de Dorotéia estava tocando, em um nível ensurdecedor e irritante para Ele, uma musica qualquer de jazz dos anos 40. Aquilo tira qualquer tipo de concentração necessária quando alguém acaba de ser despertado de maneira inopinada.

 - Odeio essa música! Desligue isso, mulher! – Exalou com todo o ar que continha nos pulmões.

Ela não lhe deu atenção. Gostava de fazer as tarefas domésticas ao sabor de um jazz passível de ser ouvido a um quarteirão de distância. Os vizinhos já não se importavam mais por que ou estavam trabalhando ou estavam cuidado do lar; apenas Dorotéia tinha uma vitrola que reproduzia musicas tão amistosas, de timbre tão calibrado e que tocava aquelas que agradava a todos do bairro.

Ele notou o desprezo despropositado de sua mulher e continuou sua epopeia contra o macacão que não durou mais do que alguns minutos. O grito somado a musica tinha lhe proporcionado uma disposição descomunal, estava acordado e pronto pra labuta. Pegou sua valise de trabalho e dirigiu-se para a porta quando sua esposa lhe indagou com uma expressão atônita:

-Aonde você pensa que vai? Hoje é domingo! – enunciou essas palavras com um leve tom de deboche somada a um ar maternal; virou-se, com um suave movimento e pôs-se a dançar.

Ele largou sua valise na porta, tirou rapidamente suas botas, desabotoou o macacão e dirigiu-se para geladeira procurando um copo gelado de água acompanhado com uma rodela de limão e disse:

-Aumente o som querida, adoro essa musica!

O que ele não tinha notado é que a musica que tocava ainda era a mesma.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui