Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (638)  
  Contos (932)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (638)  
  Poesias (2495)  
  Resenhas (129)  

 
 
KALLS - O ENCONTRO
Diego Lincoln Campos
R$ 45,60
(A Vista)



Identidade Carioca
Literarte Produção...
R$ 24,70
(A Vista)






   > NUM AMASSADO COMEÇOU E NOUTRO AMASSADO ACABOU



LEOMAR BARALDI
      CONTOS

NUM AMASSADO COMEÇOU E NOUTRO AMASSADO ACABOU

Funilaria do Botuca. Auréola, moça distinta, advogada, chega com o seu veículo Corola, com um amassado na traseira.
Valdemar chega também na mesma funilaria com o seu veículo Santana, com um amassado na traseira também.
Botuca vai atender a moça, que obviamente, chegou primeiro.
-Botuca, meu velho.
Cumprimenta Valdemar. Botuca retribui. A moça nem olha para ele, parece observar o amassado em seu carro.
Valdemar pede a Botuca pra ver o amassado em seu carro. Botuca, responde, polidamente, que a moça chegou primeiro, então a preferencia é dela.
-Mas, Botuca, onde está a nossa amizade?! Estudamos juntos na quinta série!!
O velho amigo Botuca dá um sorrisinho Colgate. Mas a moça Auréola, fala:
-O meu amassado primeiro.
Valdemar arregala dois olhos em direção à moça:
-Minha querida manceba, meu amassado requer mais atenção. –diz Valdemar entredentes.
-Manceba??? E olhe aqui, raparigo. –fala a moça com certo nervosismo, -O meu amassado é mais importante.
-O meu amassado é mais importante.
-O meu!!
-O meu!!!
Botuca tem que intervir:
-Gente, vamos resolver isso numa boa.
-Botuca, -apela Valdemar, -Depois de tantos anos, você vai desprezar meu amassado??!!
-Valdemar, não é isso. Mas as damas primeiro. Quer dizer, o amassado das damas primeiro.
-Nossa, Botuca, depois de tantos anos de amizade, o meu amassado perdeu a importância?!!
-Valdemar, não é isso.
Era tarde, Valdemar entrou em seu carro, deu partida, e foi embora.
Na cidade havia uma ponte, era quase pôr do sol. Um veículo Santana estacionado poucos metros a frente da ponte. Valdemar contempla o sol se pondo num avermelhado exuberante. Um por do sol dos quais poucas vezes se viu na cidade. Mas Valdemar é todo amassado, quer dizer, seu pensamento voltado para o amassado do carro.
Seu celular toca. Sem muita decisão apanha o celular e verifica o número. Não faz idéia de quem seja, é um número desconhecido para ele. Resolve atender. Uma voz feminina:
-Valdemar?
-Sim.
-Como que está o teu amassado?
-Ann?
-Sou Auréola, a moça do amassado. Lembra? Funilaria do Botuca.
Valdemar não disse nada. A moça continuou:
-Achei injusto não te dar uma satisfação. Fui sem educação. Não sabia que o teu amassado era mais importante que o meu.
-É o seu primeiro amassado? –pergunta Valdemar.
-Sim. –responde Auréola, depois conclui, –Você deve ter mais experiência em amassados que eu. Desculpe, fui uma egoísta, pensei somente no meu amassado.
-Deixa pra lá.
-Não posso fazer isso. Eu percebi que o teu amassado era maior. Eu sou sócia de uma pizzaria. Hoje tem rodízio. Você tá convidado, é por minha conta.
-Vai ter rodízio de amassados? –riu ele.
Ela também riu.
Valdemar foi até a pizzaria. Depois da pizza, os olhos de um amassado encontrou o outro. Houve uma sintonia. “No seu amassado ou no meu?. Passaram a noite juntos.
Duas semanas depois:
-Valdemar, não olhe mais na minha cara!
-Que que eu fiz?
-Vi que você estava olhando para outro amassado. Pensa que não vi!
-Au (Vademar, chamava carinhosamente Auréola de “Au”). Au, o amassado mais importante na minha vida é o seu! Au, não faz isso!
O que começou num amassado, terminou em outro amassado.
 
 
  


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui