Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2528)  
  Resenhas (129)  

 
 
A Turma do Morro do...
Marcos Wagner Santana...
R$ 33,70
(A Vista)



Ruínas-02-116
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > o Cãozinho e o Cachimbo



GERALDO DE CASTRO PEREIRA
      CONTOS

o Cãozinho e o Cachimbo



O CÃOZINHO E O CACHIMBO
 
MINICONTO
 
       Após a segunda Guerra mundial, o Sr. Klaus veio morar no Brasil. Era ainda um rapazola, cheio de sonhos.  Posteriormente, sua namorada também resolveu vir para o Brasil, atrás do seu querido. No Brasil casaram-se numa colônia de alemães.
       Ambos foram morar numa linda cidade do Espírito Santo, denominada Domingos Martins , também conhecida como Campinho Acharam a cidade aprazível e acolhedora, onde encontraram vários compatriotas.
       O senhor klaus gostava de fumar cachimbo. Não largava o vício por nada deste mundo.
       Um dia, precisava resolver um problema em Vitória, capital do Estado do Espírito Santo Pegou um ônibus, onde era permitido fumar. Sentou-se numa poltrona ao lado da janela, fumando seu cachimbo.Apreciava as lindas paisagens da região.
        Nisto, o ônibus parou em um ponto e uma senhora bem vestida, com seu casaco de peles, entrou abraçado a um cão, lindo, enfeitado com um lacinho de fita.
 No ônibus também era permitido levar cachorrinhos, desde que ficassem no colo de seus donos.
        A mulher ficou incomodada com o cachimbo do seu vizinho, pois tinha alergia.
Solicitou ao sr. Klaus guardasse seu cachimbo. Ele, fazendo ouvidos moucos, continuou a soltar suas baforadas.
         Não aguentando mais, a madame arrancou da boca do alemão o cachimbo e o atirou pela janela.
         O senhor Klaus, aborrecido, apanhou o cachorrinho do colo da mulher e o lançou também pela janela.
         Furiosa, a dona começou a gritar, desesperada.
         Impassivelmente, Klaus, no seu sotaque alemão, lhe disse, em alto e bom som: “Cachorro tua vai buscar cachimba meu”.
 
         
           Geraldo de castro Pereira
 
 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui