Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2529)  
  Resenhas (131)  

 
 
R$ 25,00
(A Vista)



A Caçada do Tatu
José Daniel Deodoro
R$ 41,90
(A Vista)
INDISPONÍVEL




   > VOCÊ JÁ LAVOU SUAS MÃOS HOJE?



Jose Airton Memoria da Silva
      INFANTIL

VOCÊ JÁ LAVOU SUAS MÃOS HOJE?


Existe um reino encantado
Onde vivem muitas crianças
Protegidas por um mago iluminado
No qual todas têm confiança
 
Ele é chamado de o Mago de Luz.
E daquele lugar ele é o guardião
Todo dia uma porção ele produz
Para combater as forças de um vilão
 
Corona é um monstro perigoso
Que pode pegar os pequeninos
Que não ouvem o Mago bondoso
Que diz enquanto toca um sino:
 
- Protejam o seu rosto e suas mãos!
É um alerta contra os feitiços do mal
Use álcool em gel ou água e sabão
Para não ficarem doente no hospital!
 
Os pequenos ganham superpoderes
Num ritual mágico que se repetia
Para enfrentarem os terríveis seres
Enviados por Corona a cada dia

Só que em determinado momento
A criança da higienização se esqueceu
E a notícia correu rápido feito vento
Sorrateiramente em meio ao breu 

Chegando aos ouvidos de Corona
Que viu uma grande oportunidade
De trazer seus temíveis vírus à tona
Para deixar doente toda a cidade

Corona foi até a criança inocente
E com seus poderes se fez invisível
E, sem ser visto, deixou um presente
Que não era bom, e sim, terrível
 
A criança desprovida da porção mágica
Levou o presente para dentro da vila
Numa decisão insensata e trágica
Pois o vírus ataca quando se vacila
 
Por isso se atente para proteção
Porque esses vírus são sabidos
Eles se puderem se espalharão
Se não forem logo combatidos
 
O Mago sentiu o mal sobre alguém
Ele procurou para saber quem era
Achou a criança que não estava bem
E então fez um exame completo nela
 
Percebeu alguns sintomas presente
E viu que o vírus do Corona sufoca
Tirando o ar e deixando a pele quente
Nessa hora, não julgue e evite fofoca

O Mago deu à criança uma capa
Mágica e protetora feita de cetim
Que torna a difusão do vírus fraca
Em atitude que não pode ter fim
 
Se quisermos cortar o mal pela raiz
Antes dos vírus fugirem nos espirros
Tampe com o braço a boca e o nariz
Prevenindo a fuga numa nuvem cirrus
 
O vírus foi então vencido pelo mago
Que após o susto disse ao pequeno
Enquanto lhe fazia alguns afagos
- Conserve os bons procedimentos
 
E assim afastará todo tipo de perigo
Porém, se caso algum sintoma notar
Mantenha boa distância do amigo
Para o vírus no ambiente não circular
 
Mas as crianças não precisam ter medo
Porque serão bem cuidadas com amor
Numa promessa sincera feita de dedos
Pelo Mago do bem que também é doutor

Não se pode esquecer de nenhuma forma
Que Corona espreita à sombra do obscuro
À espera de quem não segue as normas
Pronto para voltar a atacar no futuro

Sempre  de  olho naquele  tipo  de  gente
 Que não ouve os conselhos do  guardião,
 Quantos aos  cuidados  básicos  vigentes
 De  lavar  bem as mãos com água e sabão.



                                       (Airton Memória)


Versão ilustrada disponível em: drive.google.com/file/d/15wyeA6QrCAKnowuVhhxh-6diZlhw-ExE/view

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui