Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Será o Benedito?
Airo Zamoner
R$ 10,80
(A Vista)



Geométricas-01-025
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > Contos e Mágoas de Um Balcão De Lanchonete



Marcos Roberto de Moura
      CONTOS

Contos e Mágoas de Um Balcão De Lanchonete

Há muito tempo vinha pensando em escrever algo que deixasse na memória das pessoas.

Pelo menos uma reflexão de uma vida de trabalho e amor ao que faço.

  

Sempre gostei de escrever alguma coisa que me vem na cabeça, não sou nenhum desses famosos poetas que costumo ler como; Eça de Queiroz, Machado de Assis, Camões,... Entre outros tantos poetas que conhecemos.

  

Não pude me dar o luxo de exercer essa talentosa dádiva de ser um poeta. Como pisciano (todos dizem que pisciano é sonhador e romântico), sonho com um mundo melhor para todos com muita paz e amor em seus corações.

  

Desde pequeno (infância) venho trabalhando para ajudar nas despesas de casa, até então casado com uma mulher maravilhosa que amo muito, nunca deixei de lado a ajuda de minha mãe.

  

Já nos primeiros anos de escola tinha namoradinhas e gostava de escrever alguns versinhos para elas. Isso as deixava sorridentes, não pelo fato de eu ser um galã (que alias nunca fui bonito), mas, pelo simples elogio que se dá a uma mulher. Uma palavra carinhosa, um abraço, um beijo e um bom dia sorridente.

  

Isso é tudo que uma mulher deseja receber de um homem, marido, namorado ou um paquerador para ter o seu dia repleto de alegrias. É nossa obrigação de fazer a quem amamos felizes. Mais adiante vocês poderão ver alguns desses meus versos que escrevia quando me achava solitário e meio pra baixo.

  

Ou quando tomava um fora, pois nem sempre ficava com quem queria. Coisa de quem ama e faz tudo pelo amor.

Contos e mágoas de um balcão de lanchonete levam até você leitor, um fato real de minha vida, que pode até ser o que muitos possam estar passando hoje.

“Haverá um dia em que o homem viverá em paz e a felicidade reinará em nossos corações, mais para isto é preciso que tenhamos muito amor com o próximo, e, que a ambição não o domine neste novo mundo.”

 

“Que o destino nos leve ao caminho da felicidade, para que nele, tenhamos paz e amor dentro de nossos corações respeitando um ao outro.”

 

“Quando se sentires sozinho não deixe que a solidão tome conta de você, lute com todas as forças e, então haverá uma luz que o conduzirá para o caminho da felicidade.”

 

Eu paulistano nascido em Itaquera aos 01/03/1971 trabalhei boa parte de minha vida em bares, lanchonetes e restaurantes em vários estados do Brasil. Entre Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro onde resido atualmente.

  

Muitos de nós temos vários problemas na vida, problemas estes que vão desde a nossa casa ao trabalho, com o marido, a mulher, os filhos, os irmãos, a sogra, a mãe e amigos. No entanto encontramos soluções para todos.

  

Quando nos interamos a sociedade, quando viramos adultos, a responsabilidade vem à tona, tendo estudo ou não, tendo boas condições de vida ou não, cabe a nós a responsabilidade de nos bancarmos.

  

Casado ou não, com filhos ou sem filhos. Queremos a nossa liberdade, a nossa independência de viver e curtir o que possamos da vida. Passamos por situações financeiras bem sucedidas ou um pouco apertadas. Mas, sempre achamos a solução e tiramos bom proveito do nosso dia-a-dia.

 

Quando trabalhamos passamos o dia inteiro fazendo por merecer cada centavo que vamos receber, a semana inteira na jornada de trabalho, até chegar ao final do mês quando recebemos nosso rico dinheiro.

  

Pagamos nossas contas, que muitas vezes não dá para tudo, pois gastamos mais do que ganhamos (esse também é um problema), por mais que não queiramos gastar. Ainda assim, nos resta um tempinho para curtir um final de semana com a família ou na companhia dos amigos (quando solteiros).

 

Nos finais de semana há sempre uma turma que se encontra num barzinho, num salão de dança ou num restaurante para bater um papo ou desabafar o estresse de sua corriqueira semana, bebendo sua cerveja e degustando algum petisco.

  

E é justamente nestes estabelecimentos onde aquele atendente ou garçom que te serve, vira aquele saco de pancadas muitas vezes por você quando chega com tantos problemas.                                                             Aquele que te recebe com carinho e respeito, pois é você quem o paga para te servir bem, então merece o seu respeito também.

  

Por outro lado, existem pessoas que freqüentam estes estabelecimentos só para ter um pouco de sossego e alguém para desabafar seus sofrimentos. Encontrando assim uma pessoa de confiança, (a maioria são os próprios garçons) começam a falar coisas de sua vida e seus sentimentos em troca da atenção que recebe.

   

Vendo que quem o escuta e lhe dá alguma palavra de carinho e conforto, essa pessoa nunca mais vai perder a sua confiança e o terá como seu melhor amigo. Depositando toda sua confiança e criando um circulo de maior respeito entre ambos.

  

Esse é o fator principal que deve existir entre o funcionário e seus clientes, respeito e educação para que não venha causar prejuízos ao proprietário, ou criar desarmonia deixando o ambiente em baixo astral.



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui