Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Provérbios de AKEL no...
Adryan Krysnamurt Edin...
R$ 40,00
(A Vista)
INDISPONÍVEL

DUBLE - A um passo em...
Guilherme Augusto...
R$ 49,60
(A Vista)






   > Amigo Secreto!



Jefferson Luiz Rosa
      CRôNICAS

Amigo Secreto!

AMIGO SECRETO ! 

Todo o pessoal do lado do protagonista, em especial a mesma linhagem, resolvem de repente elaborar um tipo de brincadeira natalina particular aos familiares, chamado de “amigo secreto”. Fazem parte desta comemoração somente as famílias descendentes: sua mãe, o protagonista, a esposa, seus irmãos e seus cônjuges, sua irmã caçula e cônjuge, mais os sobrinhos e sobrinhas, primos e primas com seus respectivos filhos e cônjuges, cunhados e cunhadas, e por fim tios e tias.

Então, a Maria - irmã e primogênita de Ana convida á todos da família residentes na região sul de Curitiba, mais ou menos setenta pessoas ao todo para um almoço de natal em sua casa, uma mesa recheada de bebidas e comidas e guloseimas. Após a ceia, já todos satisfeitos, iniciam-se de forma definitiva a troca dos presentes.

Caso alguém não saiba!

A entrega de presentes no natal é uma tradição cristã no mundo inteiro. E para que este evento torne-se realidade são necessários alguns procedimentos, conforme á seguir:

ü  É fixado um limite mínimo para a compra do presente, quer dizer, se fixa um valor monetário para que cada pessoa integrante do amigo secreto tenha algum parâmetro;

ü  Os nomes: através de um saco ou de uma caixa, cada participante sorteia um papelzinho, constando um nome, é vedado tirar o próprio nome;

ü  Após, todos os participantes de posse do seu amigo secreto, tem início à fase de especulação, ou seja, querer saber o que a outra pessoa envolvida neste processo quer ganhar de presente;

ü  Por fim, a entrega dos presentes.

Quanto à entrega dos presentes, segue um ritual antigo que se deve ressaltar:

- a pessoa que organiza esta manifestação natalina (a cortesã) é a primeira a iniciar a brincadeira natalina;

- antes mesmo da entrega do presente ao seu amigo secreto, esta faz referências sobre a pessoa a ser chamada para saber quem advinha seu amigo secreto, fica aquela bagunça organizada, e em seguida, depois de descoberto o enigma a pessoa recebe seu mimo.

- a segunda pessoa segue os mesmos passos da primeira, e assim sucessivamente.

Lá pelas tantas (pois este ritual de amigo secreto é um pouco demorado) um garoto de aproximadamente sete anos, filho de uma prima do protagonista, pessoa que detinha pouquíssimo contato pessoal, isto é, viam-se de vez em quando. Este menino faz algo de proporção sem medida. Primeiramente ele sobe numa cadeira à frente de todos que estavam ali, e fala:

- a pessoa que eu tirei no amigo secreto é muito inteligente, e quando eu for grande quero ser igual a ele. Todos olhando um para o outro e tentando adivinhar que era... um momento de silêncio... um pouco de mistério... até que ele falou:

- é o Japão.  E o presenteou com uma linda agenda: “o valor da amizade”.

Poxa! Aquilo foi surpreendente, fantasticamente um legítimo presente de natal. Não somente pelo presente, objeto ou pelas palavras ditas pelo menino, mas simplesmente por se tratar de uma criança a qual tinha pouco contato, falando tudo aquilo pra todo mundo ouvir. Nossa! Naquele momento o Japão pensou muito, refletiu muito, e resolveu largar o alcoolismo.

A partir deste dia Lee mudou e nunca mais ingeriu qualquer tipo de bebida alcoólica, nem sequer um copo, um aperitivo. Deste vício maldito está livre e limpo. Graças ao “PAI” e seu esforço não precisaram levar-lhe numa clínica de recuperação para alcoólatras anônimos, a parada, o fim, foi automático.

Que presente! Haveria um melhor? Que maravilha! Pode-se dizer com propriedade de que ali, houve um pequeno milagre, fez-se parecer que algo tão difícil tornou-se fácil, ou o mal permutou-se em bem, alguma coisa ali transcendeu.

E tudo isto aconteceu no dia vinte e cinco de dezembro.  

Em um dia de natal... 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui