Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2501)  
  Resenhas (129)  

 
 
Será o Benedito?
Airo Zamoner
R$ 10,80
(A Vista)



Objetos-03-133
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > O DEMÔNIO E O ELEITO



Airo Zamoner
      CRôNICAS

O DEMÔNIO E O ELEITO

Fez um pacto, uma coligação com o Demônio e ganhou as eleições. Festejou. O Demônio veio cobrar a dívida. Foi chegando perto do Eleito. Cutucou suas costas. O Eleito olhou para trás:
– O que você quer?
Tinha um tom de aspereza na fala dura.
– O que é isso? Não se lembra de mim?
– Você acha que vou me lembrar de todo mundo? Não vê que fui eleito com milhões de votos? Milhões, entendeu? Sabe o que é isso? Milhões! Não vê minhas ocupações diárias? Nem sei como você passou por minha segurança, por minha assessoria e tem a ousadia de me cutucar pelas costas. Vou chamar minha guarda pessoal!
– Calma! Não imaginei que você se esqueceria de quem permitiu sua vitória...
– Saia pra lá. Qual é a graça, agora?
– Não é graça nenhuma. Você fez uma coligação comigo, lembra? Sou o Demônio em pessoa aqui novamente! Sou quem viabilizou sua eleição...
– Olhe aqui, seu... Como é mesmo seu nome?
– Demônio!
– Preste atenção, seu Demônio! Eu fiz pacto com todo o mundo. Fiz uma grande coligação, rapaz! Deixe de ser burro! Pactos se fazem apenas pra gente se eleger. Depois mandamos todos... Esqueça! Afinal, o que você quer?
– Você está me faltando com o respeito! Você é surdo? Eu sou o Demônio! Sou o mal em pessoa! Posso acabar com você e levá-lo para minha casa pra sempre. Conhece minha casa? Lá você ficará eternamente e aprenderá a me respeitar!
– Nem conheço você, que dirá sua casa. Que casa é essa?
– O Inferno, seu Eleito dos infernos! O Inferno! É pra lá que vou levar você. A não ser...
– Deixe de gracinhas e ameaças infantis, seu idiota. Não tenho tempo a perder. Saia daqui! Se quiser vá até a sala do meu assessor parlamentar. Deixe lá seu pedido. Aliás, já vou avisando que tem uma fila enorme pra atender. Vai ter que ser paciente...
O Demônio parecia ter perdido toda a paciência. Gritou e seu grito ecoou por toda a democracia.
– Olhe aqui, seu palerma, seu arrogante, seu ingrato. Está subestimando meu poder demoníaco. Vou levá-lo de corpo e alma para o inferno se não cumprir nosso pacto.
O Eleito virou-se para o Demônio e cresceu em tamanho. Suas roupas se rasgaram, pequenas que ficaram para o corpo que se avermelhava em brasa. Seus olhos se esbugalharam ameaçadores. Suas unhas cresceram como espadas afiadas. Seu corpo em curva se tornou gigantesco e inclinou-se perigoso sobre o Demônio.
Inexplicavelmente, o Demônio assustou-se como nunca. Sentiu-se pequeno e frágil. Lembrou-se do dia em que seu ex-chefe o expulsou da categoria de Anjo e sofreu novamente. Encolheu-se, acovardou-se e fugiu para o inferno, seu lar doce lar, onde ficou tremendo até agora há pouco.
O Eleito voltou imediatamente a ter a agradável aparência humana. Ninguém percebeu nada. Sorriu sarcástico e debochado para o espelho. Ajeitou seus cabelos com delicadeza feminina. Retocou o nó da gravata italiana, ou indiana, ou brasileira mesmo. Estava pronto para a entrevista que dará nos próximos minutos e que será transmitida por todos os órgãos de comunicação do país. Claro que será aplaudido por muito tempo por todos nós. Afinal, foi eleito por milhões! Milhões, entendeu? Sabe o que é isso? Milhões!

Airo Zamoner é escritor
airo@protexto.com.br


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui