Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2527)  
  Resenhas (129)  

 
 
O testamento vital no...
Isabela Maria Marques...
R$ 30,80
(A Vista)



Biologia Ambiental
Maristela Zamoner
R$ 97,80
(A Vista)






   > Um aprender para a vida



Marlos Mello
      ARTIGOS

Um aprender para a vida

Não é fácil falar de aprendizagem, principalmente quando queremos falar da nossa própria forma de aprender. A experiência pede passagem e os nossos sonhos e desejos são acometidos de uma sensação diferente. O momento do aprender pode ser considerado o ápice de uma relação concomitante e dialética.

Neste texto simples, rebuscado e rascunhado de palavras do cotidiano, não pretendemos exortar um aprender “escolarizante”. Também não temos a pretensão de construir uma obra efetivamente bibliográfica. Tentaremos aclamar aos corações daqueles que estiverem lendo.

Deveras, alguns dirão que nossa escrita é poética e não tem nada de científica, no entanto não podemos esquecer que não há ciência sem as pessoas. Atualmente, podemos perceber que a vida está sempre aficionada a uma trilha sonora, não estamos falando de música, mas de sentimento. Pessoa=relação. O mundo é a profunda relação natureza=humanidade. A ciência é bordada pela poética da sensibilidade perante a vida.

Nessa modernidade liquida circunscrita por Bauman temos de aprender a conviver através da diferença. O passado nos mostra a necessidade de nos voltarmos a nossa natureza humana. Um pouco disso ocorre quando aprendemos.

Paulo Freire falava com sapiência a respeito da consciência e, principalmente, tecia a verdadeira teia da esperança nas pessoas. Não julgava saberes, ao contrário, acrescia e acolhia os saberes populares no intento de construir o conhecimento através de si mesmo.

Quando o professor é “empoderado” pelos educandos e não se julga o poderoso, senhor da educação e do saber, revela-se o respeito humano. Palavrinha simples essa, “respeito”, todavia como é difícil chegar a ela. A todo o momento somos testados.

Nessas idas e vindas da escolarização das pessoas o mundo se modificou, tecnologizou-se. Não estamos falando de um processo lento e derradeiro, mas algo que acontece diariamente, se faz e refaz ciclicamente. Como está o educador frente a tal movimento? É importante essa pergunta, vamos refletir a respeito dela.

A psicologia se transformou diante desse novo contexto e, hoje falamos de uma psicologia para a vida, mas para uma vida boa e não centrada no binarismo doença x cura. 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui