Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (638)  
  Contos (932)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (638)  
  Poesias (2491)  
  Resenhas (129)  

 
 
Abstrato-03-772
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



A Construção
Airo Zamoner
R$ 17,40
(A Vista)






   > CLAUDINE



Airo Zamoner
      CONTOS

CLAUDINE

Ela se destaca nos meus olhos. Saltita alegrias. Nos rodopios, o vestido de rendas e babados restaura harmonias antigas. A minúscula mãozinha agarra o pai carrancudo. Puxa-o na avidez de conhecer os detalhes do mundo. Aos gritinhos, arrasta-o, estimulando-o a ver. Ver e opinar. Dizer como é lindo, como é feio, engraçado, estranho, tudo que se oferece descompromissado aos seus olhinhos curiosos.
Observo e meu coração dói. Vontade de agarrar esse pai pelo colarinho. Sacudi-lo com violência pedagógica. Acordá-lo dos seus trinta, quarenta anos. Forçá-lo a sentir a felicidade que flui gratuita por seu braço indiferente. Gritar para que olhe, uma vez ao menos, para baixo. Fazê-lo ver que a vida berra na alegria voluntária da filha, pesquisadora do mundo.
Contenho-me e ele continua preso à mão que descobre, investiga, apalpa e sorri para o rosto cego. Indiferente, prefere manter-se mergulhado nos mesquinhos corredores de seus problemas. Nem um olhar solidário. Perdido, se mantém nos escaninhos abarrotados de lixo pantográfico, gradeando o mundo para ele travestido de inferno, para ela enfeitado de paraíso.
Ela não desiste. Puxa e o faz com a força do entusiasmo. O pai arqueia o corpo e quebra a indiferença. Por um lapso de tempo imaginei que algo trincaria naquele instante e um sorriso vazaria, senão da boca, ao menos dos olhos. Não! Ao contrário. Uma reprimenda bruta. Um puxão no braço franzino e o abuso de palavras duras.
A menina encolhe o corpo. Recolhe as luzes do rosto. A mão que sobra vai à face, na tentativa falha de enxugar lágrimas salgadas. O choro chega aos meus ouvidos e meu coração se estilhaça.
Ela, que vinha qual batedora, explorando caminhos, agora encurta o corpo. Fica para trás e é arrastada com pressa. Seus passos pequenos não vencem os do pai embrutecido. Tropeça e desaba. É erguida aos ares apenas pelo braço delicado. Seus pezinhos se arrastam e uma sandália escapa. Indefesa, larga o corpo indo ao chão. Último recurso contra a força da cegueira. Impedida pelos soluços, não articula uma só palavra. Aponta o dedinho minúsculo para o calçado fujão e novos impropérios invadem os seus ouvidos puros.
Impossível manter-me estático. Saio correndo da minha indiferença forçada. Chego ofegante. Junto a sandália cor-de-rosa e me agacho. Pego seu pezinho, limpo-o carinhoso e visto o calçado rebelde.
Lenço na mão, enxugo suas lágrimas abundantes. Digo palavras doces. Ela interrompe o choro. O pai emudece.
Falo da beleza do seu vestido de rendas e babados. Explode um sorriso que espanta a mágoa. Eu a ponho em pé e afago suas roupas. Trocamos um olhar profundo. Pergunto seu nome. Ela se atira em meus braços.
– Claudine!
Enlaça meu pescoço e os transeuntes param. O abraço é longo, carinhoso, delicioso.
O pai se desajeita. Ameaça um sorriso de ternura falsificada. Aborta-o. Constrange-se pela evidência. Recompõe-se movido por amarguras e despreparo. Ergue-a ao colo com violência e retoma a caminhada apressado.
Virada para trás, queixo apoiado no ombro do pai, ela vai sacolejando e me acena. Atira-me beijos imensos. Perde-se na multidão.


Ilustração do autor, usando computação gráfica sobre fotografia.

airo@protexto.com.br


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui