Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Será o Benedito?
Airo Zamoner
R$ 10,80
(A Vista)



R$ 18,90
(A Vista)
INDISPONÍVEL




   > A rotina do menino Antônio



Tiago Paradiso de Oliveira Real
      CRôNICAS

A rotina do menino Antônio

Antônio não era um garoto como qualquer outro. Dentre as condições mais desfavoráveis, cresceu junto aos dez irmãos objetivando uma vida melhor.

Certa vez, questionado sobre o seu futuro, respondeu: “Quero ser caminhoneiro.” Na verdade, ele queria mesmo um prato de comida e uma cama para dormir.

A fim de ajudar a mãe nas despesas de casa, abandonou cedo a escola, quando ainda cursava a antiga terceira série do ensino fundamental.

Trabalhava na agitada Estação da Luz. Ao som dos apressados passos dos passageiros, tentava vender doces. Tinha uma meta diária a ser cumprida: arrecadar vinte reais, fosse vendendo, fosse pedindo. Caso contrário, seria duramente castigado pelo seu terceiro padastro. Castigo este aplicado com frequência.

Socorro, proprietária de uma barraquinha de cachorro quente, sempre que encontrava o menino, ficava com dó e oferecia-lhe um lanche. De posse do alimento, o maltrapilho tinha de sair de lá, e rápido, para não espantar a freguesia.

Diferentemente de seus amigos, se é que assim podemos conceituá-los, nunca furtou. E olha que oportunidades não faltaram para tanto. Bom caráter.

No bolso da calça rasgada, carregava consigo um amarelado recorte de jornal que continha a foto do Cafu beijando a taça da copa do mundo de 2002. Fã de futebol. Timidamente, cantarolava pelas ruas: “Eu sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor!”*

A noite, no barraco da família, quando não apanhava, a esperança ressurgia. Lembrava vagamente das poucas palavras de seu falecido pai: “Filho, para ser alguém na vida, precisa estudar.”

Exausto, no velho colchão, dormia serenamente. Só assim, podia sonhar.

*Trecho da Canção “Vamos lá Seleção” (Composição: Petrúcio Amorim).



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui