Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Arquitetura-02-407
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Sobre gatunos e...
Erasmo Júnior de Melo...
R$ 49,60
(A Vista)






   > Amor e Cristo



Daniele Bezerra
      CONTOS

Amor e Cristo

(...) entusiasmo e ansiedade. _Estava chegando...com que fantasia? Escolheu uma mais prática. Olinda era o destino. Brigara com a namorada. Odiava ela Carnaval. Ele não se importara, comprara a sua passagem. O namoro já não estava bom. Ela ficaria por aqui. Retiro, normalmente, era o que fazia. Nunca o convencera a isso. Ele a cada ano num bloco, numa cidade. Rio-Mangueira, Bahia-Olodum. Ela com a tristeza momina eterna. Todos os carnavais. Quatro anos agora. Mas ele fazia sempre a mesma coisa. Não mudara em nada. Ela também. Rezava pela humanidade nesses períodos. Ele amava a humanidade também. Ela descobrira suas aventuras de carnaval. Ele tinha a certeza de suas aventuras com Cristo. Conforto para ele. Inquietude para ela. Ela nutria ciúmes dele. Ele a entregara despudoradamente nos braços de Cristo. Chegara o momento da separação. Ela não queria falar com ele. Ele adulava-a de todas as maneiras. Ela sem fazer promessas, apenas cara amarrada. Ele prometendo o que não poderia: ser fiel. Ambos com mochilas nas costas . Ele dirigiu-se a um grupo de amigos à rodoviária. Ela dirigiu-se a um grupo de amigos que a esperava no ônibus da igreja. Seguiu cada um a sua estrada. Ele com a sua garrafa de aguardente na mão, passava entre os colegas durante a viagem. Ela fazia suas orações e cantava cânticos de fé junto a suas amigas. Passadas muitas horas, ele chegara embriagado ao destino. Ela embriagada de chorar, de insegurança e saudade chegara à fazenda. Olinda já sem ter aonde hospedá-lo. Ela num quarto limpo,mas sem luxos. Ele tentando arrumar uma vaga numa casa com quarenta pessoas. Ela dividia o seu quarto com mais uma colega de retiro. E durante esses quatro dias (..) descobriu-se mulher com a colega. Culpou-se. Pediu perdão a Deus pela descoberta, promessa em vão. Aproveitara todas as descobertas do prazer junto àquela que tinha como afinidade o amor a Cristo. Após quatro dias de muita brincadeira e namoro carnavalesco,ele volta, sentindo um vazio de amor e um preenchimento de mundo. Ela uma redescoberta de mundo, além de um preenchimento na alma. Reencontraram-se. Ela mostrava-se feliz com suas mais novas peripécias carnavalescas. Ele achando-se mais bem-aventurado, pois imaginava a resignação da namorada em sua clausura momina. Ao se reencontrarem ela foi para os braços dele mais apática do que todas às vezes que se viam após o carnaval. Calmamente, o olhou e disse-lhe que, a partir daquele momento ele seguisse o seu caminho sozinho porque Cristo tinha mostrado a ela o que era felicidade. Assim, ele partiu sem entender nada, sem dar uma palavra , apenas com a roupa suja e suada de Olinda ainda no corpo. Parou no primeiro boteco para continuar a bebedeira e entender o porquê da perda.




CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui