Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Será o Benedito?
Airo Zamoner
R$ 10,80
(A Vista)



Elisa pede passagem
Ingrid Regina...
R$ 39,70
(A Vista)






   > Do



Luis Antonio de Oliveira
      ARTIGOS

Do

Direito Penal - "Iter Criminis" Do Iter Criminis
Desde que o criminoso começa a pensar, estudar, cogitar a pratica do crime até a consumação do delito, existe um processo a ser percorrido. A este processo dá-se o nome de Iter Criminis.
Iter Criminis, segundo Zaffaroni , “significa o conjunto de etapas que se sucedem, cronologicamente, no desenvolvimento do delito”.
Tais etapas podem ser divididas em cogitação, preparação, execução e consumação.
* Cogitação: A Cogitação se revela no íntimo do agente, no momento em que este começa a maquinar e idealizar seus propósitos delituosos. Nesta fase, composta única e exclusivamente da mentalização do ilícito, a lei penal não pode alcançar e punir um agente pelo simples fato idealizar a prática de um crime.
*Atos Preparatórios: Da fase interna da cogitação, o agente transborda sua vontade para o mundo exterior, iniciando a prática dos Atos Preparatórios, objetivando consumar o crime anteriormente idealizado. Pode-se classificar como Atos Preparatórios, por exemplo, comprar a arma do crime, alugar imóveis próximos ao local do crime ou para possível cativeiro, espreitar sua vítima, etc. Ressalvados os casos em que o legislador expressamente especifica a conduta em um tipo penal, como é o caso dos petrechos para falsificação de moeda, os Atos Preparatórios não são punidos.
*Atos de Execução: Após toda preparação do crime, inicia-se a fase de execução do delito, fase esta que, segundo o conceito de Welzel “começam com a atividade com a qual o autor se põe em relação imediata com a ação típica”.
*Consumação: Por fim, quando se operam todos os elementos de sua definição legal dá-se a consumação, que nada mais é que a completa realização do tipo penal.
Quando, na fase de execução, não se consegue chegar à consumação do crime, por motivos alheios à vontade do agente, opera-se o chamado “Crime Tentado”.
Na esteira de nosso entendimento destacam-se as palavras de Fragoso :
“A não-superveniência do resultado pode ocorrer por interrupção em qualquer fase do processo executivo, depois de iniciado. Tanto faz que o agente já tenha feito todo o necessário para a consumação (tentativa acabada ou crime falho), ou que tenha interrompido a execução que apenas começava (tentativa inacabada). A natureza da interrupção também é irrelevante, desde que ocorra por razões alheias à vontade do agente”.
Cabe ainda salientar a alusão de Zaffaroni aos “Atos da Tentativa” que, segundo ele, “são os que se estendem desde o momento em que começa a execução até o momento da consumação”.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui