Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2530)  
  Resenhas (131)  

 
 
Paisagens-02-049
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Arquitetura-02-407
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > Venha amor!...



Arlete Meggiolaro
      POESIAS

Venha amor!...

Com o estrondo do trovão-silêncio, o céu pranteia.

Sob esta vasta cortina tempestiva o reencontro.

Estamos ensopados pelas vivências do passado!

 

Segure minha mão,

entremos neste casarão abandonado.

Veja os bordados das teias...

Ali um candelabro jogado.

Do flagelado teto

vertem pingos e respingos

escrevendo triste melodia

nas linhas da poça,

sobre maltratado assoalho.

 

Venha pra junto de mim...

tire meus pés do alagado.

Estou com frio.

Acenda minha lareira.

Aqueça-me

Amor!

 

Venha para junto de mim

seque-me do encharcado vazio.

Remodele meu casarão-coração

com afeição, seu artesanato.

Enxugue, do teto deste meu olhar,

a solidão em pingos.

 

Envernizemos com  a calda caramelada

dos nossos sonhos,

 o assoalho do sentimentos.

Troquemos a canção tormento

pela melodia sincera do envolver.

Com as teias enroladas em carretel,

teceremos a toalha para a ceia.

Sobre ela acenderemos o candelabro

das nossas juras,

de unidos vivermos o absoluto,

em nós, de nós e para nós.

 

Ah, estar em você

outrora de mim foi roubado.

 

Venha Amor,

leve-me para sua seara  do sempre!

 

© Arlete Meggiolaro

 

 

 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui