Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2526)  
  Resenhas (129)  

 
 
O Recomeço
Paulo Ademir de Souza
R$ 104,30
(A Vista)



Os Egmons
Airo Zamoner
R$ 40,40
(A Vista)






   > Papai Noel passou por aqui



Vicência Jaguaribe
      CONTOS

Papai Noel passou por aqui

Minha boneca de pano
Mistura de chita e cetim
Minha boneca de pano
É um pedaço de mim ...

 (Mena Moreira)               

         

          Ela sentou-se no chão, puxou a caixa grande – que o bodegueiro da esquina lhe havia dado, embalagem de arroz – e começou o trabalho do dia. Ganhava a vida com aquele artesanato. Trabalhava umas seis horas por dia, mas, quando se aproximavam os festejos do fim do ano e a festa da padroeira, trabalhava de oito a dez horas.           

          Naquele dia, terminava uma encomenda de uma senhora que morava no Rio de Janeiro e queria levar umas lembranças diferentes para as netas e para as sobrinhas. Era uma encomenda relativamente grande, e ela sentia dor nas costas. Finalmente terminou a última peça, embrulhou tudo e foi deixar à freguesa, que viajaria no dia seguinte.           

          Precisava comprar mais material, estava quase sem tecido e sem algodão.  Dias difíceis aqueles, e ela tinha dificuldade para vender as peças que fazia. A chegada dos tempos modernos dificultara a sua vida. Aquele era o único trabalho que sabia fazer. Se a coisa se complicasse mais, como iria sobreviver? Recebeu o dinheiro da encomenda, passou na loja onde costumava comprar a fazenda e foi para casa. À noite, teria que estar na banca da pracinha, com sua mercadoria.           

          Era Natal, e na cidadezinha ainda se conservava o costume de armar bancas ao redor da praça, para vender tudo que se imaginasse – dos bolos típicos aos brinquedos baratos de plástico e aos pequenos aparelhos eletrônicos que fascinavam as crianças. Chegou com a neta mais nova, que sempre a acompanhava, armou a mesinha e nela espalhou sua mercadoria. Logo pararam mães acompanhadas de filhos, adultos desacompanhados ou crianças sozinhas. Pegavam no produto, examinavam-no e, com cara de desprezo, o repunham na mesinha. Poucos compravam. Somente os moradores dos distritos, pobres coitados, que não tinham condições de presentear com algo melhor os filhos. As crianças muito pobres, que ficavam rodeando a mesa, olhavam para aquelas peças como se fossem as coisas mais preciosas do mundo.           

          Já perto de começar a missa do galo, aproximou-se um casal bem vestido, puxando uma menina de uns sete anos pela mão. Não eram da cidade. Deviam estar na casa de um parente, comemorando as datas de fim de ano. A mãe se aproximou, pegou uma das peças e mostrou-a à filha:           

          - Veja, filha, como é bonitinha. Diferente de tudo que você tem. Vai fazer o maior sucesso entre suas amigas. Vamos comprar?           

          - Eu, mãe!? Não vou pagar esse mico, não. Se eu chegar com um troço desses, as meninas vão cair em cima de mim. Deus me livre! Isso é horrível! – E a menina, sem olhar para trás, deixou os pais e aproximou-se de uma banca que vendia brinquedos eletrônicos. Os pais pediram desculpas e foram-se.           

          A dona da banca olhou com tristeza para aquelas peças que lhe haviam dado tanto trabalho. Assustou-se quando sentiu uma mãozinha suave pousar no seu braço, como se fosse um passarinho. E ouviu uma vozinha fina e baixa, como o trinado de uma rolinha:           

          - Não se importe com o que aquela menina disse, não, dona Marietinha. Ela estava mentindo. Eu acho elas muito bonitas. – E a menina desanuviou o semblante da artesã, com o sorriso aberto e com o brilho dos olhos.           

          Meteu a mão no bolso e contou as moedas. Faltavam cinquenta centavos. O sonho ficaria para depois. Foi-se encaminhando para o meio da praça, quando ouviu a dona da banca chamá-la. Reaproximou-se da banca e recuou com o susto. Dona Maietinha acabava de embrulhar uma de suas peças. Com a alegria manifestando-se em cada gesto, a artesã lhe entregou o pacote.           

          - Feliz Natal, querida! Papai Noel passou por aqui.           

          A menina, meio confusa, não falou, mas os olhos devolveram os votos de Feliz Natal da mulher. Foi direto para casa, onde a mãe já havia armado as redes dos seis filhos, que dormiam em um minúsculo aposento que dava para o quintal. Nenhum dos irmãos ainda havia chegado. Ela acendeu o bico de luz e rasgou o papel que embrulhava sua prenda. Era linda! Vestida de cor de rosa, com os negros cabelos presos em duas tranças, parecia uma princesa. A menina abraçou-a e aconchegou-se a ela. Logo dormia e sonhava com o mundo cheio de bonecas de pano feitas por dona Marietinha. Mas nenhuma delas era tão bonita quanto a sua. A sua boneca. A sua boneca de pano.           



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui