Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Diário de Um Pensador...
Dudu Souza (Cleomacio...
R$ 22,10
(A Vista)



Objetos-02-126
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > Saudade



F Kinnal
      CONTOS

Saudade

A mulher saiu cedo de casa como fazia todo dia
E foi procurar ele de casa em casa de lugar em lugar

Até que um dia passando pela praia ela o viu
Ele estava em um restaurante e não estava sozinho
Ao lado dele estava uma senhora
Jovem ainda
Alta
Muito elegante
Sensual
E ficava mais bonita ainda quando andava
Parecia desfilar sua própria beleza

Desesperada
Em angústia
Já não sabia se caminhava ou corria ao encontro dele

Quando ela está chegando perto
Toda contente e sorrindo
Ele olhou na direção dela
E ele sorrindo também abriu os braços
Num gesto claro de querer abraçar também
Aquele abraço gostoso
Que só ele sabe fazer

Só que o inesperado acontece

Ele abraçou outra mulher
Aquela que estava ao lado dele tão linda

Ela ficou atordoada
Ficou ali parada diante dele
Sem conseguir falar
Aquela mulher que ele abraçava com tanto carinho
Não era ela

Mesmo assim tentou fazer ele notar sua presença ali perto
Tão perto e parecia tão distante
Resolveu chamar ele pelo nome
É gostoso dizer o nome de quem a gente ama
E então ela falou outra vez dizendo

Querido sou eu
A tua mulher
Estou aqui

Ele ignorou por completo a presença dela
Parecia até que não via
E ela continuou ali parada
Pensando
É tão bom olhar alguém que a gente ama

Depois ela foi embora sem dizer mais nada
Ela foi embora desanimada e triste
Pois só agora lembrara da realidade de sua vida
Morrera afogada numa praia
Faz tanto tempo que o mar levou seu corpo
E o mar levou também todo aquele amor dele
Ela era agora apenas mais uma alma invisível

Ela era agora para ele apenas sua alma gêmea
E estava invisível vivendo assim

No dia seguinte lá estava ele outra vez na praia
E agora estava sozinho
Ela ficou ali olhando pra ele
Calada
Ela pensando

Você está tão perto e tão longe de mim
Tão longe e tão perto

Reparou agora olhando pra ele
No rosto dele escorria uma lágrima
Enquanto chorava com saudade dela

Depois ele sentou na areia branca da praia
E com o dedo escreveu na areia

Querida eu te amo
Aconteça o que acontecer
Nunca vou te esquecer

Ela não aguentou mais conter o pranto
E chorou também em silêncio

Quando ele fechou os olhos
Ainda chorando
Nela pensando
Ela fez aparecer embaixo da frase dele

Eu também querido
Nunca vou me esquecer


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui