Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2529)  
  Resenhas (131)  

 
 
Hora-atividade
Maristela Zamoner
R$ 21,10
(A Vista)



DUBLE - A um passo em...
Guilherme Augusto...
R$ 49,60
(A Vista)






   > CADAVER SALGADO



MARCOS DAVID BITTENCOURT LEAL
      CONTOS

CADAVER SALGADO

Cadáver Salgado
 
 
 
 
 
     Sete de Setembro, que dia admirável!
 Passei toda a manhã na varanda da minha casa a contemplar o tempo, vê ás pessoas que passavam e assistir a morte lenta e preguiçosa do inverno. Gosto desta região porque aqui vivem as minhas raízes, aqui se encontra meu passado, passado que liga um homem á terra onde nasceu e moram seus ancestrais.
    E muitas vezes numa dessas viagens surgem fatos interessantes que nos obrigam a registrá-los circunstancialmente.
Já por volta do meio dia começa repentinamente uma chuva fina e continuada. E á procura de abrigo encostam-se algumas pessoas ao beiral da varanda.
 

  • Entrem, por favor !

Relutaram, porém com o aumento do temporal, aceitaram.
A chuva tornou-se ainda mais intensa, forçando-os há permanecer mais tempo. E nesta permanência um senhor simpático dirige-se a outro ainda mais velho.
 

  • Você sabe a história do fio de Abelardo?
  • Não o que foi?
  • Então não sabe dos parentes dele que mora pras banda do ribeirão? 
  • Sei não.

    Responde dolentimente, com o olhar pregado nas goteiras que desce do telhado  respingando na calçada.
   A minha curiosidade era tanta que me irritou o desinteresse do interpelado pelo desfecho dos fatos, porém para a minha alegria o senhor que começou a conversa continuou:
 

  • Pois é um tio dele trabalhava lá pra aqueles lados. Ele vinha há muito tempo com problemas de saúde, melhorava voltava ao trabalho, depois de algum tempo caia de novo doente e foi assim esta labuta por mais de ano, inté que veio a morrer, você sabe né, quem vive da diária do campo só ganha pra comer.

    Balancei a cabeça afirmativamente.
 

  • Então com a morte dele a família coitada não tinha dinheiro nem para comprar o caixão.

“- Meu Deus o que vou fazer?”
    Desabafa em prantos a esposa ao pé da cama junto do falecido.
    Deu uma pausa. Pediu licença para acender um cigarro, que concordei imediatamente aguardando o desfecho da história. Enrolou seu cigarro, acendeu calmamente sem dá uma palavra. Soltou algumas baforadas para o ar.
 

  • Oia vosmecê  num sabe, num tem coisa pior no mundo qui nem gente pobre.
  • Ë`...

 Afirmei.
 

  • Bom, vio modesto, então diante da situação com o irmão de Abelardo morto dentro de casa, sua mulé sem dinheiro para resolver ás coisas, ela resolveu ir até a Cidade á procura do prefeito.
  • E ela foi.

    Depois de tanta apatia Modesto resolve entrar na conversa.
 

  • Inhô sim foi, e num sabe o sinhô, na prefeitura cheia de gente, dizem que tinha inté
  •  Político da capitá.

    Ela entrou pediu para falar com o dito cujo. Ele atendeu na porta do gabinete.
Então ela falou:
“- Seu Prefeito, meu marido acaba de morrer, não tenho condições de fazer o enterro, vim aqui mode o sinhô me ajudar.”
    Ele sem dá muita importância á necessitada, disse:
“- Olha minha Senhora infelizmente a prefeitura está sem verbas para lhe  atender , volte a semana que vem e veremos o que pode ser feito.”
“- Mas, vortar pra semana como...
    Ele não esperou a conclusão e o argumento dela.
“- Infelizmente Senhora.
    Virou ás costas  para conduzir ao interior do gabinete algumas pessoas que estavam na recepção.
    Desolada ela ficou só no salão.
 
E Voltando-se para mim falou soltando fumaça pela boca.
 

  • Já viu moço como são os políticos, antes prometem tudo, depois viram ás costas.
  • É... E o que ela fez?

    Perguntei já totalmente envolvido no assunto.
 

  • Nem queira saber o Sinhô, ela voltou a bater na porta. Ele abriu...

“- A Senhora de novo?”
    Enxugando ás lágrimas com o dorso da mão ossuda, olhou em seus olhos  e falou:
“- Já qui o sinhô não tem como me atender, me dá ao menos dez real.”
    O prefeito franziu a testa.
“- Dez reais, a Senhora antes queria o funeral do seu marido - agora só quer dez reais?
“– E seu prefeito, dez real para poder comprar sal.
“- Sal, não entendi, mas pra que a senhora quer tanto sal?
    Perguntou o prefeito curioso.
“- É mode eu salgar o cadáver para quando o sinhor  puder dar o dinheiro do caixão.
 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui