Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Ruínas-01-110
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Estátuas-02-161
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > NOITE DE HALLOWEEN



Carlos Alberto Omena
      CONTOS

NOITE DE HALLOWEEN

Aquela noite, era uma noite especial, era noite de festa, afinal, iria ser comemorado o dia de halloween.
E naquela pequena cidade do interior não era diferente. Todos se preparavam durante a semana confeccionando fantasias de bruxas,demônios,fantasmas,vampiros e outros não menos renomados seres das trevas. Tudo tinha que ficar perfeito, a praça aonde ia se desenrolar a festança começava a receber os ornamentos lúgubres e fantasmagóricos. Tinha caveiras, monstros alados, caixões, sepulturas, fitas pretas e vermelhas, velas, atoches e tudo mais que o tema permitia.
A euforia era geral. Adultos, crianças, jovens, padre, prefeito, ricos e pobres, se juntavam na praça neste dia e comemoravam a festa de halloween com muita música, bebidas e farta mesa de comidas e guloseimas.
E a noite prometia muito, pois o céu estava completamente limpo, a os primeiros raios de uma enorme lua cheia começava a clarear a ornamentada praça dando ainda mais realismo ao tema da festa, criando um tom ainda mais sombrio e assustador.
Nessa pequena cidade, porém, tinha alguns costumes e tradições estranhas como não permitir a entrada na cidade de novos moradores, ninguém podia deixar a cidade, as casas eram obrigadas a colocar no alpendre, estranhos amuletos feitos em corda e fitas, ninguém, exceto da noite de halloween saia às ruas após o por do sol, todos os domingos, ao invés do costumeiro encontro na igreja para a missa semanal, todos os habitantes se encontravam no cemitério da cidade onde entoavam cânticos em uma linguagem nativa de difícil entendimento.
Os últimos moradores a chegar àquela cidadezinha forami um jovem casal e seu filho um ano antes. Ele médico e ela enfermeira.
Só lhes foi permitida a permanência naquela cidade por gratidão das pessoas. Quando passava pelos limites da cidade encontrou uma jovem desacordada e com sérios ferimentos, a beira da estrada. Como médico,parou seu veículo,examinou-a e colocou-a no carro dirigindo-se a cidade.Lá chegando tratou logo de encaminhá-la a um pequeno posto de saúde onde salvou-lha a vida. Em gratidão o povo da cidade pediu-lhes que ali ficasse com sua família e assumisse aquele posto médico, o que de pronto foi aceito. E por ali eles ficaram sem entender ou aceitar muito sobre os mitos e superstições daquele povo.
Quando o médico tentava incutir na cabeça de alguém sobre suas descabidas superstições eles somente lhe retrucavam:
“-Dr. o senhor é muito novo nesta cidade e não sabe nada dela, portanto não mexa com o que não conhece. É melhor para todos nós, pode acreditar”.
Mas, enfim era noite de halloween e todos queriam aproveitar a única noite de divertimento que tinham. Todos iriam estar lá. Bem... quase todos.
A única família que não era permitida a participar era a família de um tal “Zé Profeta”. Nesse dia, essa família era trancada em sua casa,suas portas e janelas eram lacradas por fora pelos moradores e na frente da casa eram colocadas ,próximo ao portão da rua, pratos de comida,jarros com bebidas , doces e velas coloridas acesas.
Nada daquilo fazia sentido ao médico e sua esposa. Porque aquela injustiça com aquela família?Porque não deixá-los participar também da festança? Porque aquele ritual todo na porta daquela pobre família?
Perturbado com aquelas insanas atitudes, procurou o prefeito naquela tarde, antes da bendita festa começar, atrás de algumas respostas, pois ninguém na cidade falava a respeito. Todos temiam algo que não entendia e sempre que interpelava alguém com suas perguntas , desconversavam e o deixava falando sozinho.
O prefeito, vendo a angustia daquele homem atrás de respostas e sabendo também que ele tornara-se membro daquela sociedade, achou que era hora de contar-lhe tudo sobre os mistérios que rondavam a cidade:
“–Caro amigo doutor”. Há muitos e muitos anos atrás esta cidade era um lugarejo chamado de “Vale da morte”. Aqui era um grande acampamento cigano e ninguém podia sequer atravessar a cidade que era interceptada por eles e eram roubados e brutalmente assassinados. Tendo seus corpos enterrados em volta da cidade.
-Os anos se passaram, as mortes e o poder desse grupo de mercenários aumentavam até que um grupo de homens liderados pelo meu avô, se uniu e armados, entraram na cidade mataram a todos e incendiaram suas cabanas, dominando e se apropriando da cidade.
-Foi assim que nasceu nossa cidade.
-Sim, mas o que a família desse tal “Zé profeta” tem a ver com isso? Porque ele é tão discriminado?
- Quando meu avô invadiu a cidade dos ciganos, e começou o extermínio, um deles, o líder, antes de cair morto, coberto de sangue e tendo em suas mãos a cabeça cortada de seu filho gritava insano, entoando uma misteriosa ladainha, lançando uma grande maldição sobre todos nós. A maldição dizia que a partir de sua morte aquela cidade iria passar a ser conhecida como o “ vale dos espíritos “ e que eles iriam rondar e aterrorizá-la ate que finalmente pudessem retomá-la de novo.
-“Zé profeta” e sua família, não nasceram aqui, mas são os herdeiros diretos daqueles malditos ciganos, a segunda geração deles. Meu avô após consultar benzedeiras e rezadores da época descobriu que o único meio de controlar os espíritos seria mantendo aquela família ali,como uma espécie de guardião do espíritos. Enquanto eles estiverem lá em sua casa, os espíritos também estarão presos e não poderão sair para dominar a cidade. - Por isso fazemos esta festa na noite de hoje. É para manter os espíritos dominados. Acredita-se que se o “Zé profeta” sair de casa nesta data, os espíritos se libertarão e atacarão a cidade, matando a todos.
- Pura besteira!! Exclama o jovem médico.
- Isso é pura loucura, se aquela família sair e participar da festa nada acontecerá isso eu garanto.
-Essa história toda foi contada para justificar o massacre dos ciganos nada mais.
- Doutor, não mexa com o que você não conhece. Já vimos coisas nesta cidade que o senhor jamais acreditaria se lhe contasse. Portanto deixe tudo como está,finaliza o prefeito.
- De jeito nenhum. Não vou viver dentro de uma paranóia descabida dessa. Isso é loucura.Vocês precisam se livrar disso. A verdadeira maldição esta na cabeça dos moradores da cidade, isso sim.
O médico sai , revoltado com as besteiras que ouvira ,vai ate sua casa conta a sua esposa que também concorda com sua opinião.
Já passava pouco das sete horas quando a festa finalmente começa e em poucos minutos a praça já estava totalmente tomada.
O casal ainda revoltado com aquela situação e com a maneira que estavam tratando o “Zé profeta” resolveu dar um basta naquilo tudo, contrariando o apelo feito pelo prefeito.
Então, pediu a sua mulher que fosse à casa do enclausurado e o convidasse juntamente com sua família a irem à festa, enquanto ele se dirigia à cidade para convencer a população a aceitar a pobre família. E assim foi feito.
Chegando à cidade o doutor após tentar em vão persuadir o prefeito a aceita-los na festa, subiu no palanque armado para o discurso de abertura da festa e se pos a falar.
Como um bom orador e tendo o dom absoluto das palavras fez ver àquele povo que o que estavam fazendo com aquela família era errado. Que toda aquela historia de espíritos vingadores não passavam de pura besteira e que nada aconteceria se o “Zé” e sua família participassem da festa.
Sua certeza foi tão grande e suas palavras tão convincentes que o povo logo cedeu ao misticismo dando lugar à razão e a sanidade, permitindo então, após tantos anos, a presença da excluída família.
Foi um alvoroço geral quando finalmente chega à festa o “Zé profeta” e sua família. E, embora o povo ainda meio desconfiado e receoso com o que podia acontecer , os aceitaram e os convidaram a participar dos festejos.
Tudo transcorria normalmente, todos dançavam,cantavam e comiam à vontade. Enfim,a maldição,os espíritos vingadores já eram coisas do passado.Tudo realmente não passava de delírios e superstição dos mais velhos que tentavam amedrontar a população.Nada a mais do que isso. Pura besteira, como dizia o doutor.
“Zé profeta” e sua família, que nunca estiveram ali, pareciam os mais felizes, se divertiam como ninguém.
Já beirando às onze e meia da noite, algo estranho começa a acontecer. Aquela lua grande e brilhante que clareava toda a cidade, começava a dar lugar a nuvens escuras e um vento meio gelado substituía o calor intenso que fazia naquela noite. A multidão que se aglomerava na praça começa então a se assustar com a repentina mudança de clima, causando até um certo alvoroço.
Tendo o céu totalmente recoberto inexplicavelmente por nuvens negras e por fortes ventos, a cidade é invadida por grande quantidade de abelhas africanas atacando a todos. No corre-corre alucinante e frenético atrás de abrigo e proteção, uns pisoteavam os outros enquanto os demais agonizavam mortalmente com as picadas dos ferozes insetos.
Antes porém do médico e o prefeito ,completamente deformados pelas picadas e já sobre os efeitos de seu veneno, caírem fulminados, ainda puderam ver no alto do morro que cercava a cidade, como que contemplando a destruição da cidade, um homem com trajes ciganos, com o corpo coberto de sangue e carregando em uma das mãos, uma cabeça.
Estava cumprida a maldição...

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui