Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
R$ 46,40
(A Vista)



Objetos-03-133
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > CAMPEONATO DE BOLINHAS DE GUDE



Marilena Orsoni
      INFANTIL

CAMPEONATO DE BOLINHAS DE GUDE

   

 Marquinho não era mais o mesmo garoto. Deixava suas coisas  jogadas em qualquer canto, espalhadas, amontoadas, e sua mãe não sabia mais o que fazer e o que estava acontecendo com ele.

Tudo isso acontecia porque o campeonato  de bolinhas de gude estava no final e ele precisava se concentrar.  Não podia correr o risco de perder e deixar de ganhar a Taça.

Numa daquelas  manhãs, Marquinhos se reuniu com seus três grandes amigos que sempre jogavam com ele e neste campeonato não eram seus adversários: o Juca, o Matheus e o Felipe, para pedir ajuda.

-Amigãos, eu preciso que amanhã, na hora da partida final, vocês me ajudem  a ganhar aquela taça.

- Mas, como vamos fazer isso, Marquinho? É você quem vai jogar e não nós.

-Eu sei disso, Felipe, mas preciso que vocês, na hora que o meu adversário for dar uma caçapada, vocês façam barulho.

- Como assim, Marquinhos? – perguntou Matheus.

- Ah, sei lá. Espirra, tosse, ou qualquer coisa que possa tirar a concentração dele, entendeu?

- Isso é jogo sujo, Marquinhos, eu não vou fazer isso não.

- Nem eu. – falou também Felipe.

- Poxa, pensei que vocês fossem meus amigos mas estou vendo que me enganei.

O pai de Marquinho que estava trabalhando perto de onde os meninos conversavam, ouviu a conversar e falou para seu filho.

-Por que você  está tramando uma coisa feia dessa, filho?

- Nossa! Pai. O senhor estava aí?

-Felizmente, estou...Para tua sorte.

- Isso é só uma idéia que tive, pai.

-Essa sua idéia é de muito mau gosto, você não acha?

- Mas, pai, e se eu não ganhar aquela taça, o que eu vou fazer?

-Marquinho, você  acha, então, que vencendo dessa maneira você será melhor do que o teu adversário? Claro que não, filho. Você será o pior de todos os garotos que participaram do campeonato, até mesmo dos que foram desclassificados.  E você só tem uma coisa a fazer: Se preparar melhor para o próximo campeonato.

- É, pai, o senhor tem razão, não foi assim que o senhor me ensinou. A gente tem que conquistar as coisas pelo nosso próprio esforço e mérito e não com fraudes.

- Fraudes?  Eu dou outro nome para isso, Marquinhos: “Desonestidade”.

O dia da final do campeonato chegou e muitas crianças vieram ao campinho para ver o jogo. Foi uma partida emocionante. Marquinho,  depois da correção que levou do pai, jogou como nunca havia jogada...Fez jogadas mirabolantes e acabou vencendo o campeonato e recebendo a tão desejada Taça. 

Assim que recebeu a Taça, Marquinho agradeceu  a todos, e dedicou o título a seu pai que, com sabedoria, soube  mostrar-lhe  o verdadeiro caminho da vitória.

    

 

Tudo isso acontecia porque o campeonato  de bolinhas de gude estava no final e ele precisava se concentrar.  Não podia correr o risco de perder e deixar de ganhar a Taça.

Numa daquelas  manhãs, Marquinhos se reuniu com seus três grandes amigos que sempre jogavam com ele e neste campeonato não eram seus adversários: o Juca, o Matheus e o Felipe, para pedir ajuda.

-Amigãos, eu preciso que amanhã, na hora da partida final, vocês me ajudem  a ganhar aquela taça.

- Mas, como vamos fazer isso, Marquinho? É você quem vai jogar e não nós.

-Eu sei disso, Felipe, mas preciso que vocês, na hora que o meu adversário for dar uma caçapada, vocês façam barulho.

- Como assim, Marquinhos? – perguntou Matheus.

- Ah, sei lá. Espirra, tosse, ou qualquer coisa que possa tirar a concentração dele, entendeu?

- Isso é jogo sujo, Marquinhos, eu não vou fazer isso não.

- Nem eu. – falou também Felipe.

- Poxa, pensei que vocês fossem meus amigos mas estou vendo que me enganei.

O pai de Marquinho que estava trabalhando perto de onde os meninos conversavam, ouviu a conversar e falou para seu filho.

-Por que você  está tramando uma coisa feia dessa, filho?

- Nossa! Pai. O senhor estava aí?

-Felizmente, estou...Para tua sorte.

- Isso é só uma idéia que tive, pai.

-Essa sua idéia é de muito mau gosto, você não acha?

- Mas, pai, e se eu não ganhar aquela taça, o que eu vou fazer?

-Marquinho, você  acha, então, que vencendo dessa maneira você será melhor do que o teu adversário? Claro que não, filho. Você será o pior de todos os garotos que participaram do campeonato, até mesmo dos que foram desclassificados.  E você só tem uma coisa a fazer: Se preparar melhor para o próximo campeonato.

- É, pai, o senhor tem razão, não foi assim que o senhor me ensinou. A gente tem que conquistar as coisas pelo nosso próprio esforço e mérito e não com fraudes.

- Fraudes?  Eu dou outro nome para isso, Marquinhos: “Desonestidade”.

O dia da final do campeonato chegou e muitas crianças vieram ao campinho para ver o jogo. Foi uma partida emocionante. Marquinho,  depois da correção que levou do pai, jogou como nunca havia jogada...Fez jogadas mirabolantes e acabou vencendo o campeonato e recebendo a tão desejada Taça.

Assim que recebeu a Taça, Marquinho agradeceu  a todos, e dedicou o título a seu pai que, com sabedoria, soube  mostrar-lhe  o verdadeiro caminho da vitória.

              

 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui