Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

O que e como fazer para escrever bem

Uma das maiores preocupações que permeiam o âmbito escolar tem sido a produção de texto, em especial o dissertativo, por apresentar dificuldades no seu processo de elaboração e produção. Por ser um texto que procede de reflexões sobre determinado assunto, em que a opinião do locutor deve ser explicitada e, principalmente, acatada pelo interlocutor, exige-se maior rigor e complexidade nos mecanismos de produção. Quer dizer, ao comentar sobre determinado assunto tem-se a pretensão de atingir o outro, seja por convencimento ou por persuasão. Assim, torna-se fundamental se servir de uma linguagem elaborada, haja vista que para se obter adesão do interlocutor, o discurso deva... (leia mais)

Andreia Frederico Coutinho




Sexo e Dança de Salão

Quando “fui iniciada” nas artes da dança de salão, no início da década de 1990, percebi algo nebuloso e fortemente relacionado a sexo na atividade. Desde então venho observando, analisando, pesquisando e estudando a natureza desta relação. Precisei de anos para chegar ao ponto de entendê-la. Por ocasião do meu primeiro contato com a dança de salão, percebi que esta atividade exercia uma influência avassaladora sobre o comportamento sexual das pessoas de qualquer faixa etária. Inicialmente, imaginei que isto se devia ao fato de que a dança de salão é dependente da relação de masculinidade e feminilidade. Esta relação se dá por... (leia mais)

Maristela Zamoner




Default



   > Sandro Nadine

  AUTOR  
 
Sandro Nadine
Aos 12 anos, consegui o 1º lugar no Concurso de poesias realizado pela Biblioteca Pública Etfânio Dórea, aos 15 fui vencedor do 1º Concurso de Análises Críticas, desenvolvido pelo Grupo LIONS/SE, aos 16 comecei a estudar música no Centro de Criatividade do Estado de Sergipe onde vi crescer grandes personalidades talentosas; aos 18 já fazia parte do grupo de Flauta Doce do mesmo centro, onde tive o prazer e a oportunidade de fazer parte do meu primeiro trabalho de estúdio regido pelo Maestro Sérgio do Conservatório de Música, e regência do nosso inesquecível Oscar Vasconcelos (In memorian), realizado no SOMAX em Recife/PE; nesse mesmo período fomos convidados à vários festivais e apresentações dentro e fora do nosso Estado, inclusive para a inauguração do Clube Sergipano em Salvador/BA. Quando completei 19 anos, me aperfeiçoei em teoria musical e participei de vários grupos musicais clássicos. Em 1992, fiz técnica vocal e participei do Coral " Renolt Vallois"(PROSEBEM), patrocinado pela Academia Carlos Gomes de música, no mesmo ano comecei minha carreira como compositor, onde participei do 1º Festival de Música do Colégio Salesiano, obtendo 1º lugar com a música "Soldados" e troféu de melhor júri popular; em 1994, participei do 1º FEMUFS - 1ª Festival de Música da UFS, onde obtive a 2ª colocação; Em 96 adquiri o 3º lugar no Festival Novo Canto com a música "Homem Pássaro" e no mesmo ano em 1ª no Festival da Caixa Econômica com a música"Rítimos"; tive também a oportunidade de apresentar algumas letras no 3º Festival de Música Jovem em Natal/RN, onde no mesmo ano participei da gravação do 1º CD do Grupo Ame como Coralista; em 1997 fui à Brasília e lá concorri com mais de 100 músicas, onde fiquei em 12º lugar, ainda no mesmo ano, fui produtor musical com alguns trabalhos regionais. Em 1998, gravei meu prmeiro single, com a Banda "Réu Confesso", bem como fiz violão na Escola De Arte Municipal com o prof. Eugênio, em 1999 dei início ao projeto do meu primeiro álbum "Trajetória", Mas somente em 2002 consegui gravá-lo, fazendo divulgação do mesmo em alguns Estados, entre eles, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Paraíba, Bahia, Alagoas, Goiânia, Brasília, São paulo e Manaus. Em 2003 Participei da Primeira Amostra de Arte Escrita do Shopping Jardins, onde pude apresentar alguns dos meus poemas. Em 2005 fui premiado pela Prefeitura Municipal de Ourinhos/SP, em seu 1º Festival de Poesias. Em 2008, nossa música " Réu Confesso", é escolhida como tema em programa da TV cidade em Aracaju. A partir daí não parei mais de escrever; e cada momento, cada emoção foi delicadamente ilustrada por palavras, rimas e versos, que me seguirão até os últimos dias de minha existência.