Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

Aos dez anos

O irmão chegou com uma novidade: se ela colocasse um fio de cabelo dentro de um vidro cheio d’água e tampasse bem tampado, ele se transformaria em uma cobra. - Mas tem que ser com a raiz, disse. Porque ela é que vai ser a cabeça da cobra. E tem mais – não pode ficar dentro de casa. Tem que ficar no chão, perto da terra. Arrancou o fio de cabelo mais comprido que encontrou, com raiz e tudo. Colocou num vidro, tampou bem tampado, colocou no chão embaixo de uma mangueira e ficou esperando. - Já tem três dias e não tô vendo nada mudar... - Calma, né? - Quem disse pra você que cabelo vira cobra? - O Betinho. Ele disse que a vó dele disse que um irmão dela fez isso e virou cobra. - Ah!... Outros tantos dias,... (leia mais)

Isis Berlinck Renault




ROSINHA - CONTA – CASOS

Há muito, muito tempo, nasceu no céu uma linda nuvenzinha cor-de-rosa. Nossa! Foi o maior zum-zum-zum. Imagine só! Uma nuvem cor-de-rosa! Não se falava em outra coisa. A casa de Mamãe-Nuvem vivia cheia de visitas. Todos queriam conhecer a nuvenzinha colorida. Todos queriam conhecer Rosinha. Ah! Sim! Ela recebeu o nome de Rosa. Mas logo, logo, virou Rosinha. O tempo foi passando e Nuvem Cor-de-Rosa, aliás Rosa, aliás Rosinha, foi crescendo cada dia mais linda. E não era só linda, não. Era inteligente, alegre, super simpática e tinha uma facilidade incrível para fazer amigos. Todo mundo adorava conversar com ela. Sabe por quê? Porque Nuvem Cor-de-Rosa tinha um dom muito especial: ela inventava casos. Pois é! Ela adorava inventar casos e contá-los... (leia mais)

Isis Berlinck Renault




Default



   > Amarilia Teixeira Couto

  AUTOR  
 
Amarilia Teixeira Couto

  Poesias
  Manhãs de domingo
  Convite
  É assim que te quero
  Na trama do bordado
  Também quero um amor feinho
  Essas palavras....
  Amor distante
  Ah, esse friozinho...
  Quando eu soltar a minha voz...
  Êxtase
  De doida e de santa (lembrando Adélia Prado)
  Um novo jeito de amar (reeditado)
  Fruta madura
  Esperando na janela
  Interlocução com Neruda
  Transcendência
  Quando a saudade não mais...
  Aquém do horizonte
  Êxtase V
  Pedacinhos de amor
  Êxtase II
  Mais amor feinho
  Avec elegance
  Agosto
  Se nos meus devaneios...
  Não permita,amor!
  Como quem veio do nada
  Eu te amo.Tu me amas?
  Ouvir estrelas (licença poética)
  Então, fiquemos assim...
  Me veio assim...
  Somente a saudade traz o amor de volta
  Cinderela,eu?
  Das incertezas do amor
  Tuas mãos (lembrando Neruda)
  Que o tempo voe!
  Covardia
  Pedido de Natal
  O meu coração é um latifúndio
  O poeta das curvas
  A paz que eu gosto de ter
  Tempos de (des) amor
  Quando de mim tu te apartaste
  Encantamento
  Melancolia
  Minudências
  Além do perceptível
  Cumplicidade
  É teu,meu amor!
  Não me traduzo em palavras
  O que a vida quer da gente é coragem
  Poema com retas e curvas
  Fábula amorosa
  Porta entreaberta
  Artigos
  Oh, tristeza me desculpe...
  Que novo homem é esse?
  As mulheres terminam o relacionamento.E os homens?
  Que idade temos?
  Felicidade concreta
  Rejuvenescer
  Chega um tempo...
  Só o bobo é capaz de um excesso de amor
  Amar se aprende amando.
  Posso desabafar?
  De que reclama a mulher?
  Por que idealizamos tanto?
  Existe receita pra ser feliz?
  Caros amigos
  Dom Quixote e seus moinhos de vento
  Discordar é saudável
  Patrus está de volta!
  Propaganda enganosa
  Propaganda enganosa II
  Em time que está ganhando não se mexe? Por quê?
  Namorantes – que tribo é essa?
  Final de campanha
  Síndrome do final de ano
  Antes que seja tarde
  E o carnaval acabou...
  A inveja
  O que se esconde sob as máscaras dos protestos?
  O que se epera de um namorado?
  Contos
  Moça velha
  Maktub
  Histórias de amizade ( I )
  Padre Gomes
  Vida de menina I
  Tia Augusta
  Entre o sagrado e o profano
  Entrelinhas
  Crônicas
  No ônibus ( Retratos I )
  Foto apagada?
  Clube das sextas ( I )
  Clube das sextas ( II )
  Clube das sextas ( III )
  O vendedor de Bis
  Quando toca o celular
  A alemãzinha
  Os ipês amarelos da estrada de Jabó
  Enquanto o ônibus não vem...
  Tô cansada de fazer marmita
  A estátua viva e o menino
  Xô,tucano!
  A multiplicação dos guarda-chuvas
  Muito obrigada,viu?Deus te acompanhe!