Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

O MERGULHO

Aquele brusco tremor o impulsionou violentamente para trás. Já sentira isso há muito tempo, quando inadvertidamente, colocara o dedo no bocal de uma lâmpada. Experiência assustadora! Alguma coisa entrara subitamente em seu corpo. Ao mesmo tempo em que, num ato reflexo, puxara a mão de volta, sentira uma contraditória atração. Queria levar outro choque! Quantas vezes, ao ver um bocal sem lâmpada, sentira novamente aquela estranha tentação. Sempre resistiu bravamente. Agora, contudo, num misto de sofrimento e prazer, toda aquela sensação se repetia e nada tinha a ver com o choque elétrico! Letras. Palavras. Livros. Depois que dominara as letras, passara a admirar as palavras. Ficava horas, olhando e pensando nelas. Letras sem sentido adquiriam uma espécie de vida... (leia mais)

Airo Zamoner




O LEÃO E O BURRO

O velho e temido leão, Com uma fome danada, foi procurar o burrinho para uma bela caçada. E encontrando o animal, Que não era muito esperto, Combinou que ele seria De uma ramagem coberto. Tudo pronto, à caça foram. E o burrinho camuflado Tinha que urrar diferente Do que estava acostumado. O burro treinou bastante, Foi treinando mais e mais. Com seus urros bem estranhos Espantou os animais. As bestas apavoradas Saíram em disparada. E o leão se aproveitou Pra fazer sua caçada. Tendo feito várias presas, Exausto, foi descansar,. Então pediu ao asninho Que parasse de urrar. Aquele, já todo prosa, Perguntou para o leão: “E que tal a minha voz?... (leia mais)

GERALDO DE CASTRO PEREIRA




Default



   > GENERINO GABRIEL DE JESUS

  AUTOR  
 
GENERINO GABRIEL DE JESUS

GENERINO GABRIEL DE JESUS, Professor Licenciado e Pós-Graduado em Letras pelo CESVASF - Centro de Ensino Superior do Vale do São Francisco - nasceu em Rodelas/BA a 29 de julho de 1969.

De família humilde, é o décimo-primeiro filho de Dona Maria Rosa de Jesus, lavadeira que sustentou seus filhos através de seu trabalho incansável.

O poeta publicou seu primeiro livro de poemas - Segredos da Solidão - em julho de 2000, pela Editora HD Livros, de Curitiba/PR.

Seus poemas, como de costume, são marcados pela busca incessante de identidade do homem, além de retratar o amor, o fazer poético e os reveses que atingem a todos.

Generino Gabriel é colaborador do Movimento Cultural Artpoesia, de Salvador/BA, através do qual publica, mensalmente, seus poemas, desde 2006. Também colabora com os sites do Jornal Mundo Jovem, com o Recanto das Letras, com o Usina das Palavras, entre outros.

Desde 2006, o poeta Generino Gabriel é verbete do DICIONÁRIO DE AUTORES BAIANOS (pág. 171), publicado pela Secretaria de Cultura e Turismo do Estado da Bahia, naquele ano.

Com sua participação no IV Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus de Poesia, edição 2008, Generino teve seu poema "Predadores da Terra" selecionado para fazer parte de uma Coletânea publicada pela Giz Editorial. A respectiva coletânea fora lançada na Bienal do Livro, em setembro de 2009, no Rio de Janeiro.

No campo político, Generino exerceu o mandato de Vereador da Câmara Municipal de Rodelas, de 2005 a 2008 e, atualmente, exerce o mandato de Vice-Prefeito de Rodelas, além de continuar ministrando suas aulas de Língua Portuguesa e de Inglês no Colégio Estadual Dulcina Cruz Lima.