Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (942)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2531)  
  Resenhas (131)  

 
 
Estátuas-03-163
Airo Zamoner
R$ 0,00
(A Vista)



Objetos-03-133
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > Motivos para acreditar



Andréa Aparecida Lopes Cançado
      CRôNICAS

Motivos para acreditar

Motivos para acreditar
 
Não gosto de refrigerentes. E não é por causa de celutite ou qualquer outro motivo estético ou de saúde.
Não gosto e pronto.Mas, adoro as propagandas da coca-cola. Desde sempre.
É bom contar que foi a campanha publicitária da coca-cola de 1931 a responsável pela difusão da imagem do papai Noel pelo mundo, tal como conhecemos hoje, de roupas vermelhas. E ela conseguiu se superar com o comercial pela comemoração de seus 125 anos.
Se você não assistiu, assista. Está no youtube.
O comercial resgata uma coisa que há tanto perdemos: a solidariedade na comemoração! Temos tanto a comemorar nessa vida e acabamos por nos apegar às coisas ruins, às nossas dores, ressentimentos, sofrimentos. Aos nossos e de todos aqueles que tivermos notícia.
Quando há dor, é fácil, não nos custa. Muito ao contrário, pelo próprio instinto de sobrevivência, rapidinho juntamos os sofrimentos. De longe, choramos e rezamos por todos que estão sofrendo. E sem fingimento. É dor pelo outro mesmo.
Lembra-se das enchentes ocorridas no Rio de Janeiro. Um belo sentimento de fraternidade uniu os brasileiros de todos os cantos do Brasil. Houve uma mobilização de amor! E o que falar do recente massacre na escola do Rio, quando, perplexos, vimos um ex-aluno retomar à sua escola para destruir cruelmente jovens vidas.  O desespero das famílias foi também o nosso horror.
Claro que devemos continuar solidários na dor, até porque, mesmo sem querer, somos assim.
Mas, não basta. É pouco, pouco demais. Precisamos ser solidários também na alegria.
Treinar para aprender a aplaudir o próximo, amigo ou desconhecido. Urge comemorar a felicidade, o sucesso e a beleza do outro.
Quem nunca se viu em erupção de tanta emoção por conseguir algo que tanto queria. Uma vontade louca de gritar, ligar e contar para todo mundo. Nesse instante, vozes mil aparecem: “não fale nada, porque a sorte vai embora”, “não conte prá ninguém”, “se falar, não mais acontece”.
O pior, de tanto ouvir, tendo acreditar! Ai, que dor, que dificuldade, que tormento!
Se alguém lhe contar que conseguiu um excelente emprego, começou o namoro com o moço mais bonito do clube, comprou aquele carro ou exatamente o vestido vermelho que você tanto quer, por favor, dê um pulo de alegria e comemore com essa pessoa. E não se preocupe, o seu momento também chegará.
Não é por outro motivo que os nossos relacionamentos no emprego, na escola e em qualquer outro lugar são tão complicados. Surrupiam oportunidades, promoções, experiências, tamanha é a dificuldade de promover o sucesso e o brilho do outro.
Se é tão difícil, comece pelo menos a dividir o que há de melhor em você e no outro. Pegue o que é bom nele e divida com você mesmo, vá treinando, um dia, sem perceber, você verá como é bom promover e comemorar o outro.
É o superior hierárquico que não ensina ou delega o trabalho, de medo de ser ultrapassado. Ora, se ele brilhar, o brilho será seu também. É o professor que não permite a reflexão e a autonomia intelectual, por temer a superação. Puxa, pense que você foi o ponto de partida, tão essencial. É a cozinheira que não ensina a sua assistente, para que ela não construa o seu próprio menu. Ah, que bobagem, se ela for embora para melhor, outra chegará para lhe auxiliar, e também ainda melhor.
A prática do ato de perceber, reconhecer e comemorar o outro talvez, quem sabe, ajude a modificar roteiros solitários e trágicos de vida, como aquele do ex-aluno da escola de Realengo.
É como está lá no comercial da coca-cola: existem razões para acreditar!
PS: não se esqueça de ver o comercial, duas vezes, com o som bem alto. Se não encontrar, mande-me um email que eu lhe envio.
   
                                                                        Andréa Cançado
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui